martedì 22 marzo 2011

Vivere a Natal : la rinascita della Ribeira


A cultura corre mais rápido na Ribeira. Se o capital das imobiliárias constrói arranha-céus em terrenos históricos da cidade, alguns bares, pubs e centros culturais revitalizam o bairro reconstruindo o gosto pela boa música e história da chamada Ribeira Velha de Guerra.

Velha, cansada da Guerra que chacoalhou a cidade e transformou o bairro em quartin de pracinhas americanos sedentos pelas putas da cidade. Os bordeis glamourosos viraram ruínas, lojas, oficinas. As paredes emboloradas envelhecem junto aos cupins que devoram a história de velhos casarios abandonados. Na contramão das intempéries do tempo e do poder público, empreendedores idealistas reconstroem o bairro. E adotam no revestimento de cada prédio o emblema do bom gosto cultural.

Rua Chile: casarões têm se reinventado na intenção de atrair o público potiguar. Se nos fins da década de 90 o empresário Paulo Ubarana transformou restos de uma casa em ponto de encontro da galera alternativa no esquecido bairro, aquele Blackout de outrora se multiplica hoje em Buraco da Catita, Centro CulturalDoSol, Galpão 29, Casa da Ribeira, Consulado Bar, Cultura Clube, Central Ribeira, Let's Rock e outros que por ventura abriram hoje ou semana passada e ninguém soube.

Se a Ribeira de outrora respirava a poeira deixada pela Segunda Guerra e concentrava o nicho underground no Bingos ou no Casarão localizados na Rua Doutor Barata, o bairro histórico hoje pulsa vitalidade. Da Rua Chile a então desconhecida Rua das Virgens, passando pela avenida Rio Branco e percorrendo um circuito promissor.

O Circuito Cultural Ribeira, idealizado pela parceria Centro Cultural DoSol e Casa da Ribeira mostrou a potencialidade do bairro na estreia, no início do mês. Foram mais de quatro mil pessoas para instantes roqueiros em plena terça-feira de carnaval. E a programação será estendida até o fim do ano.

"Mostraremos aos domingos um resumo do que acontece todos os dias no bairro: a cultura, a história e o trabalho de revitalização da Ribeira", comenta o produtor e fundador do combo DoSol, Anderson Foca. E para além dos shows, a programação da segunda etapa do Circuito promoverá uma "bicicletada" pelo bairro, tombado pelo Iphan como patrimônio histórico e ainda à espera da atenção dos poderes públicos ao que poderia ser também um centro turístico.

Ilustres

A Ribeira foi morada de ilustres potiguares: Café Filho, Câmara Cascudo, Henrique Castriciano, Ferreira Itajubá, Pedro Velho, Newton Navarro, Aderbal de França, Erasmo Xavier, Januário Cicco, entre outros. Mas hoje nutre uma característica propícia ao fomento do comércio e iniciativas culturais. "Ou seja: tem potencial.

Não há problema da licença ambiental ou perturbação da vida alheia", aponta Foca. A vizinhança, ao contrário, torce pela abertura de novos bares que possibilitem um corredor de alternativas cada vez mais atrativo, a exemplo de ruas inteiras e até bairros repletos de recantos charmosos vistos em outras capitais, ou mesmo no Alto de Ponta Negra, onde o público procura outro tipo de ambiente.

Fonte : Diario de Natal

2 commenti:

  1. Fl@vio

    Chacoalhar os vizinhos que infelizmente vivem perto dos botecos è cultura? Quem sabe se os grafites nas fotos foram pintados da velhos bêbados que não tinha como pagar a divida de dezenas de bebedeiras. È interessante conhecer o mundo boêmio que apega e solapa muitas almas sejam iniciante que derradeira. Sempre fiquei curioso em saber que o cheiro dos urinatorios se equiparam aos copos cheios de um liquido ambraedo que os freguês costumam ingerir como água. Os cascos de dezenas de cervejas, espalhadas entre os pé dos bailarinos que movimentas as badalas noites, são sempre vista como títeres cambaleantes entre uma saia e uma havaiana pedológico não correta. Eu duvido que o verdadeiro boêmio seja aquele cara que chega de carrão com som alto, todo empilhado , gorducho parecendo porco suado que,oferece , seja quem seja, só para ter um auditório a sua ronda como um pavão, bebidas de graça. Depois ler nessa reportagem que a cultura yankee , nos anos da guerra , preferia as putas nos lugar das ação, quando todo estava acabado, quando as mortes passava na radio com freqüência, faz pensar a um mondo de inconsciente que não tinha nada a que fazer se não curtir a vida. A minha pergunta é que senso tem propor uma reportagem assim nessa época quando os empresários reforma só por ter um publico de classe A. O boêmio não vá ai a gastar R$ 8,00 por uma cerveja

    RispondiElimina
  2. X Flavio

    la Ribeira fa parte del patrimonio culturale di Natal ed era un barrio di " classe A" come si vede dai personaggi che ci sono nati e vissuti .

    E' stato il secondo barrio della città dopo la Cidade Alta ( inizialmente era noto come Cidade Baxia ... come a Salvador ). E' ricco di edifici storici , molti decadenti per l'incuria del potere pubblico .

    Bem venga pertanto l'iniziativa privata a salvare questo patrimonio anche se per questo dobbiamo pagare la cerveja R$ 8 .

    Il boemio ubriaco non ci mancherà ... ci sono tanti altri luoghi dove potrà bere la cerveja a R$ 4,5.

    RispondiElimina

Lasciate qui un vostro commento