Home Vivere in Brasile Nuove misure per frenare il real : serviranno ?

Nuove misure per frenare il real : serviranno ?

4
4
CONDIVIDI


O ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciou nesta quarta-feira a ampliação da cobrança de 6% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre os empréstimos de bancos e empresas brasileiras no exterior com prazos menores do que 720 dias (dois anos). A medida passa a valer a partir desta quinta-feira, segundo o ministro. Uma semana antes, a equipe econômica instituiu a cobrança do tributo

Essa medida é para desencorajar a tomada de crédito no exterior a prazos mais curtos. Hoje as empresas que tomam (empréstimo) para investimentos tomam a prazos mais longos e queremos atingir principalmente as empresas que fazem arbitragem (que ocorre quando uma empresa capta dinheiro fora do país a custos baixos para depois aplicar os recursos no mercado doméstico e ganhar com os juros elevados) – disse Mantega.-Isso ajuda a reduzir uma valorização excessiva do real – acrescentou.- Não estamos fazendo anúncio de pílulas aqui. Temos um rol de medidas que podemos tomar e procuramos tomar medidas que não interfiram muito na economia.Segundo ele, o governo poderia tomar medidas mais drásticas, mas quer poupar a economia.- Poderíamos tomar medidas muito mais drásticas, mas aí passaria a ter efeito colateral. Se restringir muito a tomada de crédito no exterior, poderia afetar investimentos e não queremos diminuir investimentos. Queremos diminuir o consumo, mas sem reduzir o investimento. Calibrar isso não é fácil. Prefiro errar para menos do que para mais. Tem que ser dose do remédio que não tenha efeito colateral.

4 Commenti

  1. L'accensione di finanziamenti in valuta straniera a breve, specialmente per finanziare le importazioni (finimport), è una prassi abbastanza diffusa da parte di banche e imprese che operano sui mercati internazionali. Fino a qualche anno fa ad esempio era frequente in Italia finanziarsi in Yen o dollari per sfruttare i vantaggi sui differenti tassi e, magari, anche sui cambi. Il provvedimento di Mantega, quindi, nel medio periodo potrebbe sortire qualche effetto disincentivando questa pratica (anche se per ora il real a 2,27 sull'euro sembra non avergli dato ascolto). Bisognerà vedere cosa succede allo scadere dei finanziamenti, quindi da qui a 2 anni.
    Chi vivrà vedrà…
    Marco

  2. X Anonimo

    O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reiterou nesta quinta-feira que o governo continuará tomando medidas no câmbio para "impedir" a valorização do real. "Quando for necessário tomaremos mais medidas", afirmou.

    "Hoje o câmbio (dólar) está a R$ 1,62 e o fluxo de entrada diminuiu muito a partir das últimas medidas, portanto estamos sendo bem sucedidos", afirmou o ministro.

    "É claro que não é só isso que explica o movimento de câmbio. Tem os movimentos internacionais de queda de preços de commodities, mas continuaremos persistindo de modo a impedir excesso de entrada de capitais e a valorização do real", acrescentou Mantega.

    O dólar registrava o quarto dia seguido de alta frente ao real nesta quinta-feira, em meio ao fluxo menor de ingressos e o avanço da moeda no mercado internacional. Às 10h57, o dólar subia 0,50%, vendido a R$ 1,613. Na abertura, o dólar chegou a R$ 1,621.

    Quindi secondo Mantega , a parte le azioni prese dal Governo , è la caduta del prezzo delle commodity di cui il Brasile è uno dei principali esportatori la causa principale della "svalutazione" del reals .

LASCIA UN COMMENTO

Please enter your comment!
Please enter your name here