giovedì 26 gennaio 2012

I dieci paesi con il peggiore ritorno imposte / benefici


São Paulo – Um estudo feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) mostra que, dentre 30 países pesquisados, o Brasil é que oferece o pior retorno em benefícios à população dos valores arrecadados por meio dos impostos.

O levantamento avaliou os países com as maiores cargas tributários do mundo, relacionando estes dados ao Produto Interno Bruto (PIB) e ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de cada nação. O resultado é expresso no Índice de Retorno de Bem Estar à Sociedade (IRBES).

No Brasil, a carga tributária equivale a 35,13% do PIB. Em 2011, o IRBES do país foi de 135,83 pontos, o pior resultado no grupo de 30 economias pesquisadas. Itália, Bélgica e Hungria vêm em seguida no ranking (veja abaixo as 10 primeiras posições).

Nações como Grécia, Uruguai e Argentina estão bem à frente do Brasil no que se refere ao retorno à população dos impostos arrecadados. O melhor resultado é o da Austrália, que tem uma carga tributária de 25,90% do PIB, com um índice de retorno de 164,18 pontos.

Países como Dinamarca, Noruega e Finlândia, conhecidos por oferecer serviços de alta qualidade a suas populações, entram na lista dos piores retornos por causa da elevada carga tributária. “O que puxa o índice é a carga de impostos. Dinamarca e Suécia arrecadam muito e, mesmo assim, não estão entre os primeiros quando se trata do IDH”, explica João Eloi Olenike, presidente do IBPT.

A Austrália tem uma carga tributária de 25,90% do PIB, quase metade da dinamarquesa (44,06% do PIB). O IDH australiano, entretanto, é de 0,929, enquanto que o da Dinamarca é de 0,895. “Países que oferecem melhores retornos à população, como no caso da Austrália, conseguem manter um IDH elevado com menos recursos do que, por exemplo, a Dinamarca e a Noruega”, diz Olenike.



PaísCarga Tributária (% PIB)IDHIRBES
Brasil35,13%0,718135,83
Itália43,00%0,874139,84
Bélgica43,80%0,886139,94
Hungria38,25%0,816140,37
França43,15%0,884140,52
Dinamarca44,06%0,895140,41
Suécia44,08%0,904141,15
Finlândia42,10%0,882141,56
Áustria42,00%0,885141,93
Noruega42,80%0,943145,94


Fonte : Exame

3 commenti:

  1. A seguito delle ultime manovre le proiezioni della Banca d'Italia prevedono una pressione fiscale sul PIl di circa il 45% e oltre.
    Poi, giustamente, bisogna vedere cosa ti torna di queste tasse pagate e chi ne paga di più e chi di meno.

    RispondiElimina
  2. That is true. As an author and business man, I can relate to how you said, "o Brasil, a carga tributária equivale a 35,13% do PIB. Em 2011, o IRBES do país foi de 135,83 pontos, o pior resultado no grupo de 30 economias pesquisadas". I hope more people discover your blog because you really know what you're talking about. Can't wait to read more from you!

    RispondiElimina
  3. Ciao a tutti. Vediamo se mi potete dare un chiarimento. Oggi una brasiliana mi ha fatto venire un dubbio e il mio contador non me ne aveva mai parlato probabilmente perchè la cosa era controproducente per lui che perderebbe un cliente: la mia situazione é
    Visto permanente come imprenditore,società unipersonale come eirelli.
    Io,potrei passare a un tipo di impresa MEI (microimprenditore individuale, dichiara al massimo 60 mila reais all'anno e paga R$ 33,90 INSS, e R$ 1,00 come commercio mensalmente ) in maniera di non pagare più imposto di renda?
    Questo regieme tributario é in linea con il mio profilo di straniero?
    Grazie in anticipo.

    RispondiElimina

Lasciate qui un vostro commento