domenica 5 febbraio 2012

Sale ad 82 il numero di omicidi a Salvador

Solo oggi , domenica ,sono stati registrati  13 omicidi . Scuole chiuse sino alla fine dello sciopero 




Desde que a greve começou, no dia 31 de janeiro, foram registrados 82 homicídios em Salvador e Região Metropolitana, de acordo com boletins da Superintendência de Telecomunicações das Polícias (Stelecom). Neste domingo foram treze assassinatos até as 15h. O clima continua tenso na capital baiana devido ao movimento com tropas das Forças Armadas e da Força Nacional patrulhando as ruas de Salvador. O presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia (Sinep - BA), Natálio Dantas, confirmou que emitiu recomendação para que as escolas particulares da Bahia só voltem às aulas após o fim do motim de policiais militares. São cerca de 450 escolas da rede privada no Estado.

Fonte : O Globo

2 commenti:

  1. http://video.repubblica.it/mondo/brasile-poliziotti-occupano-il-parlamento-scontri-con-l-esercito/87547/85940

    RispondiElimina
  2. TIAGO DÉCIMO / SALVADOR - O Estado de S.Paulo

    Nove policiais militares da Bahia foram presos, acusados de motim (artigo 149 do Código Penal Militar) durante a paralisação da PM no Estado. Oito dos detidos tiveram a prisão decretada pelo juiz da Vara da Justiça Militar da Bahia, Paulo Roberto de Oliveira. Seis foram presos em Ilhéus, no litoral sul do Estado, e dois em Feira de Santana.

    Já o soldado Gilvan Souza Santana, diretor da Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar (APPM) em Jequié, era um dos PMs considerados foragidos desde o dia 2, acusado de ser um dos 12 líderes do movimento. Ele foi detido na cidade em que atua.

    Com a prisão, foram cumpridos na Bahia, até a noite de ontem, cinco dos 12 mandados expedidos pela juíza Janete Fadul de Oliveira nos primeiros dias da paralisação.

    Além de Santana, estão detidos o ex-PM Marco Prisco Caldas Machado, presidente da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra) e apontado como principal articulador da greve; o também ex-PM Antônio Paulo Angelini, preso com Prisco no dia 9, o soldado Alvin dos Santos Silva, detido no dia 5, e o sargento Elias Alves de Santana, preso no dia 7.

    Homicídios. A polícia também investiga a participação de grevistas nos homicídios que ocorreram no Estado em 12 dias de paralisação. Quatro PMs, por exemplo, foram reconhecidos por testemunhas e acusados de participar da chacina que deixou cinco moradores de rua mortos no bairro da Boca do Rio, na madrugada do dia 3. Dois deles já estão presos.

    RispondiElimina

Lasciate qui un vostro commento