giovedì 8 marzo 2012

Anziana di 77 anni bloccata da tre giorni a Madrid

Problemi in vista tra Brasile e Spagna in tema di immigrazione . Una anziana donna brasiliana di 77 anni recatasi in Spagna per visitare i familiari è stata bloccata dall'ufficio immigrazione spagnolo ed è li da tre giorni . Posso testimoniare , per averlo visto di persona durante un passaggio per Madrid del trattamento ignobile ricevuto da una amica brasiliana che viaggiava con me anch'essa bloccata alla immigrazione senza spiegazione , restata in areoporto due giorni e poi rimpatriata in Brasile .

A imigração espanhola mantém retida há três dias no aeroporto de Madri uma idosa brasileira que pretendia visitar familiares na Espanha. Desde segunda-feira (5) Amanda de Oliveira só consegue conversar com a avó, Dionísia Rosa da Silva, de 77 anos, pelo telefone. Dionísia partiu com a neta do aeroporto de Cumbica, em São Paulo, no domingo. "Chegamos em Madri era 8h de segunda-feira, numa boa, feliz e contente”, conta Amanda.

Mas na hora de passar pela imigração no aeroporto de Barajas, as duas foram chamadas por funcionários. “Aí ele perguntou: 'você tem documentação?' Dei a passagem dela de ida e volta. Eu dei tudo. Ele viu a data, tudo certinho e pediu a carta de invitação. Eu falei que ela estva acompanhada comigo. E 'hotel, você tem reserva de hotel?', Não, 'ela vai ficar na minha casa'. 'Então nesse caso ela tem que passar numa entrevista'”, relembra Amanda.

A avó de Amanda não saiu mais do aeroporto. “Meio-dia, 14h, dão o almoço; 21h, dão a janta. Aí vende o café com euros. Eu não compro não, não vou dar dinheiro para esse povo”, conta Dionísia, por telefone.

Casos como o de Dionísia levaram o governo brasileiro a adotar medidas de reciprocidade. As autoridades da Espanha já foram avisadas que os turistas espanhóis receberão o mesmo tratamento dado aos turistas brasileiros. A partir de abril, quem vier para o Brasil e não comprovar que tem dinheiro para gastar e lugar para ficar pode ser obrigado a se hospedar no aeroporto, até o voo de volta.

O Itamaraty diz que o consulado do Brasil, em Madri, está acompanhando desde terça-feira (6) o caso da Dionísia. O Itamaraty afirma que a idosa chega ao Brasil nessa quinta-feira (8). Mas a família diz que não recebeu qualquer informação sobre o retorno dela.

A preocupação é com a saúde da aposentada, que já sofreu um derrame. “Eu estou sentindo um pouco de coluna, porque o banco é de madeira e dói os ossos. Chateada pela ocorrência que está acontecendo, mas tudo bem”, fala Dionísia.

Fonte : Globo.com

2 commenti:

  1. “Não quero mais voltar, pra mim acabou essa coisa de Espanha”. É o que diz em entrevista por telefone ao G1 a aposentada Dionísia Rosa da Silva, de 77 anos, que ficou três dias retida em um aeroporto. O motivo, de acordo com o consulado no Brasil, é que ela não tinha uma carta convite obrigatória para quem ingressa no país com hospedagem na casa de alguém.
    A aposentada mora há 16 anos em Sumaré, interior de São Paulo, e retornará para casa nesta sexta-feira (9), onde reside com um neto e a esposa dele. Após retornar ao Brasil, Dionísia ficou na casa de parentes em São Paulo, que vão levá-la de carro para casa. “Fiquei tomada de dor, não dormi e emagreci”, conta.
    A senhora conta ainda que ficou três dias em uma sala com outras pessoas e “era a única idosa”. Só pôde sair duas vezes, acompanhada de dois policiais, para consultar um médico no próprio aeroporto, pois se sentia mal. O idioma também foi um problema, já que, de acordo com ela, ninguém no local falava português para auxiliá-la.
    “Eu ficava quieta no meu canto e também não pude tomar banho”, conta. Outra dificuldade relatada por Dionísia é que ela não conseguia comer o que era oferecido no aeroporto. Ela passaria dois meses na Espanha para visitar a filha. Era a primeira vez que viajava de avião.
    De acordo com o consulado, que diz ter acompanhado todo o processo, sua filha e genro "residem na Espanha de forma ilegal e, portanto, não puderam ir a uma delegacia para fazer a 'carta-convite' que é exigida para que um estrangeiro que vá se alojar em casa de parentes possa entrar na Espanha".
    Ainda segundo o consulado, "foram oferecidas pelas autoridades espanholas duas possibilidades: ou comprar passagem para volta imediata, ou esperar pelo próximo vôo da Air China (pela qual tinha vindo) dentro de três dias, ou seja, até hoje pela manhã, sem custo adicional. Segundo as autoridades, ela preferiu a segunda opção, e retornou hoje (dia 8) pela manhã."
    O Ministério das Relações Exteriores informou ao G1 que Dionísia não cumpriu com alguns requisitos exigidos pela Espanha a brasileiros que desejam entrar no país, apesar de o visto não ser obrigatório.
    O Itamaraty informou que entrou em contato com o consulado brasileiro em Madri para que a idosa recebesse atendimento especial enquanto aguardava o retorno ao Brasil no aeroporto. De acordo com a assessoria, há um diálogo entre os dois países para que haja transparência sobre os critérios exigidos.
    A assessoria informou ainda que o Brasil não pode intervir nestas decisões, pois são soberanas. O que o governo pode fazer, afirma, é verificar se o brasileiro recebe no aeroporto toda a assistência necessária.
    A partir de abril, segundo o ministério, será adotada a política de reciprocidade. Assim, os espanhóis que desejarem entrar no Brasil deverão preencher os mesmos critérios exigidos aos brasileiros que vão para a Espanha.
    As informações são do G1.

    RispondiElimina
  2. E' notizia di oggi che, pur di accaparrarsi i voti dell'estrema destra per la (speriamo improbabile) rielezione, il novello Napoleone Sarkosy sarebbe disposto anche a rivedere in forma restrittiva il Trattato di Shengen. Nessuno che gli chieda perchè, secondo lui, ci debba essere la libera circolazione di capitali e merci ma NON di persone a questo mondo.

    Villepinte (Seine-Saint-Denis), 11 mar. (TMNews) - Il presidente francese Nicolas Sarkozy ha chiesto oggi che siano rivisti gli accordi di Schengen, minacciando anche di "sospendere la partecipazione" della Francia se un "governo politico di Schengen" non sarà costituito entro i prossimi "dodici mesi". "Gli accordi di Schengen non ci permettono più di rispondere alla gravità della situazione", ha detto Sarkozy davanti a migliaia di sostenitori a Villepinte. "Devono essere rivisti. Dobbiamo attuare per Schengen una riforma strutturale come quella che dobbiamo attuare per l'euro", ha detto il presidente francese, in cerca di un secondo mandato alle presidenziali in programma in primavera. "Non si può lasciare la gestione dei flussi migratori nelle sole mani dei tecnocrati e dei tribunali", ha detto Sarkozy. Lo spazio Schengen, in cui i viaggiatori possono circolare liberamente muniti di una semplice carta d'identità, sta creando tensioni crescenti in seno all'Unione Europea, a causa di problemi relativi all'immigrazione clandestina. Allo spazio aderiscono 22 paesi membri dell'Ue e quattro Stati associati, tra cui la Svizzera. (fonte Afp)

    RispondiElimina

Lasciate qui un vostro commento