giovedì 24 gennaio 2013

Brasile :disoccupazione "in aumento" nei prossimi anni

Anche in Brasile si parla di aumento della disoccupazione . Si prevede di arrivare al 6,6% nel 2014 . E' l'effetto ritardato della crisi mondiale che attinge il gigante verde oro .



Nos próximos dois anos, o número de pessoas sem trabalho no Brasil aumentará em 500 mil e a tendência de queda da taxa de desemprego registrada nos últimos anos será invertida. O alerta é da Organização Internacional do Trabalho que, hoje, publicou suas novas estimativas sobre o desemprego. O informe aponta para um aumento ainda maior do desemprego no mundo nos próximos cinco anos e revela que, depois de atingir os países ricos nos últimos anos, a crise agora chegará aos emergentes.

Desde 2007, 67 milhões de trabalhadores foram vítimas da crise mundial, principalmente nos países ricos. Hoje, 28 milhões de pessoas buscam trabalho. Outras 39 milhões já desistiram e abandonaram o mercado de trabalho nesse período. Para a entidade com sede em Genebra, os anos de blindagem dos mercados emergentes em relação à crise acabaram, pelo menos no que se refere aos empregos.

A taxa de desemprego no Brasil foi de 6,3% ao final de 2012, segundo os dados da OIT. Ela subirá para 6,5% em 2013 e, em 2014, atingirá a marca de 6,6%, a maior desde 2009 e acima da média mundial. Ao final de 2012, o País somava 6,5 milhões de desempregados. Neste ano, o número chegará a 6,9 milhões. Já em 2014, irá superar a marca de 7 millhões de brasileiros.



ANO                         NÚMERO ABSOLUTO                          % 

            
2012              6.58 milhões de desempregados            6.3%

2013             6,89 milhões de desempregados             6.5%

2014             7,08 milhões de desempregados             6,6%



Tanto em números absolutos quanto em termos percentuais, os dados de 2014 ainda são inferiores aos de 2007. Mas o atual período marcaria, segundo os dados, uma virada. Os números da OIT sobre o Brasil são acompanhados por uma avaliação detalhada da situação latino-americana. A constatação é clara: as economias da região já não crescerão de forma suficiente para absorver a mão de obra até 2017.

VIRADA

Segundo a entidade, enquanto os países ricos sofreram com a crise nos últimos cinco ano, países latino-americanos mantiveram a expansão de suas economias graças aos preços de commodities e políticas anticíclicas que tiveram sucesso.

Agora, a OIT alerta que a região vai “sofrer com a desaceleração do comércio global e a queda nos preços de commodities”. As projeções da entidade apontam que a região crescerá menos que a média mundial nos próximos cinco ano e que isso terá um impacto no mercado de trabalho.

Depois de quatro anos de queda nos índices, a taxa de desemprego na América Latina irá voltar a aumentar nos próximos cinco anos, passando dos atuais 6,6% em 2012 para 6,7% em 2013 e chegando a 6,8% entre 2014 e 2017. Em uma década, a região terá somado 3 milhões a mais de desempregados que em 2007, com 21,6 milhões no total.


Ao contrário dos primeiros anos da crise quando o desemprego foi concentrado nos países ricos, a pressão começa a ser sentida nos mercados emergentes. “Subestimamos o impacto que a crise teria nos países emergentes”, declarou Guy Ryder, diretor da OIT.

Enquanto a taxa de desemprego sofrerá uma queda de 8,7% em 2013 para 8% em 2017 nos países ricos, as economias emergentes terão uma elevação de suas taxas, principalmente no Sudeste Asiático, no Sul da Ásia e na América Latina. A taxa média do desemprego no mundo, que era de 5,4% em 2007, chegou a 5,9% em 2012 chegará a 6% em 2013. Esse patamar não deve cair até pelo menos 2017.

DRAMA DA AUSTERIDADE


No total, a crise econômica mundial e as medidas de austeridade aplicadas por governos já fizeram 67 milhões de vítimas no mercado de trabalho. “O drama que se vive é de proporções enormes e esses números representam um risco real para a desestabilização social”, alertou Guy Ryder, diretor-geral da OIT. “As taxas que estamos vendo são inaceitáveis”, declarou.

Uma certa redução do desemprego havia sido registrada em 2011. Mas, com a retomada da crise em 2012 na Europa e a volta da recessão em muitas economias, 4,2 milhões a mais de pessoas perderam seus empregos. A número total chegou a 197 milhões de pessoas pelo mundo, 5,9% da mão de obra global. “A desaceleração na economia global foi significativa e isso teve um impacto severo no mercado de trabalho”, disse Ryder.

O que mais preocupa a OIT é que, até 2017, a situação não ficará melhor. A previsão é de que, em cinco anos, mais de 10 milhões de pessoas extras perderão seus trabalhos em todo o mundo. No total, a década entre 2007 e 2017 verá uma acumulação de 41 milhões de pessoas a mais no mundo sem trabalho.

Em 2013, serão 5,1 milhões de demissões, além de outras 3 milhões em 2014. Em 2017, o número total de desempregados no mundo será de 210 milhões. “Estamos caminhando na direção errada”, completou Ryder.


Fonte : Estadao 

Nessun commento:

Posta un commento

Lasciate qui un vostro commento