venerdì 18 gennaio 2013

Speciale Petrobras : come essere assunti , carriera e salari

Una carriera in Petrobras è il sogno di molti giovani laureati brasiliani e non solo . Ma come funzionano le assunzioni ? Quali le posizioni disponibili e possibilità di carriera ? Ma soprattutto quali sono i salari iniziali in gioco ? 

Questo articolo tratto dalla Rivista Exame risponde a tutte queste domande e contemporaneamente ci fa meditare sulla opportunità , per coloro che si trovano in questo dilemma , di laurearsi in Brasile piuttosto che in Italia . E non si tratta di porre a confronto la qualità delle università ma piuttosto di valutare le opportunità che i giovani avranno dopo la laurea . 

Não é à toa que a Petrobras, segundo a última pesquisa da Cia. de Talentos, é a empresa dos sonhos dos jovens brasileiros. Conseguir um emprego na companhia pode não ser tarefa das mais fáceis, já que os concursos são bem concorridos. No entanto, uma vez lá dentro, as portas se abrem para a ascensão profissional.“O jovem enxerga a possibilidade de ter desenvolvimento dentro da carreira”, diz Lairton Correa, gerente de gestão de efetivo da Petrobras.

Entre os benefícios promovidos pela política de RH da empresa, há auxílio educação, com bolsas para escolas técnicas e superiores e incentivos para pós-graduação, mestrado e MBA. Além disso, ao colocar os pés na empresa, o profissional passa por capacitação dirigida às necessidades do mercado de óleo e gás na Universidade Petrobras, antes de começar a trabalhar.

“Eu entrei como funcionário de nível médio, ganhei bolsa, fiz faculdade e 3 pós-graduações”, conta Correa, que tem 38 anos de casa. Aliás, a média de tempo dos funcionários na companhia é de 17 anos, segundo ele. “Aqui o funcionário entra para ficar a vida toda”, diz Correa.

De júnior a presidente
A possibilidade real de crescimento estimula os funcionários a ficarem na empresa. Anualmente todos os profissionais são avaliados. Dependendo do seu desempenho, o funcionário vai mudando de nível dentro de sua categoria ( júnior, pleno e sênior). Cada categoria tem 5 níveis. “Por ano ele pode subir de 1 a 3 níveis. Se ganhar um nível por ano, em 5 anos, ele passa de júnior a pleno, por exemplo”, explica Correa. 

O mesmo método é utilizado na passagem de profissional pleno a sênior. “Depois disso, ele ainda pode ser consultor ou gerente. Todos os gerentes da companhia são selecionados entre os funcionários concursados”, diz o gerente de efetivo da companhia.

Chegar a diretor ou à presidência da empresa também é possível, mas vai depender de eleição do Conselho de Administração da Petrobras e nomeação da presidência da República. Já o conselho, por sua vez, é eleito pela assembleia de acionistas, que tem na União sua acionista majoritária. A atual presidente, Maria das Graças Foster – que assumiu o cargo no ano passado -, é executiva de carreira na companhia, mas seu antecessor, Sérgio Gabrielli – que comandou a companhia entre 2005 e 2012 -, veio do mercado, por indicação. Atualmente, toda a direção da empresa é formada por executivos de carreira, segundo a Petrobras.Até 2016, segundo o Plano de Negócios da Petrobras (2012-2016), os investimentos da companhia devem atingir a marca dos R$ 416,5 bilhões. E a cifra bilionária se traduz em milhares de novas oportunidades profissionais para os brasileiros. Embora a empresa não dê previsão de realizar um concurso neste ano, a expectativa é grande.

A última previsão da estatal era de que até 2015 o quadro de funcionários saltaria de 58 mil para 76 mil funcionários. Mas este número está sendo revisto, explica Correa: “Cada vez que a Petrobras lança o Plano de Negócios, o RH revisa também o dimensionamento do efetivo”, explica.

E, se a nova composição do quadro de funcionários da Petrobras ainda está em fase de elaboração, a companhia, no entanto, adianta quais as áreas mais promissoras. Entre as 55 carreiras profissionais do quadro da Petrobras, confira quais se destacam e deverão oferecer mais vagas para quem tem curso superior nos próximos processos seletivos:

Nível superior


Há demanda para todas as linhas de engenharia, segundo a Petrobras. Mas, no último edital, os cargos de engenheiro de equipamentos (mecânica), engenheiro de petróleo e engenheiro de processamento foram os mais ofertados dentro desta área. Geólogos e geofísicos também são profissionais procurados pela empresa. Confira quais são os cargos a formação necessária e a faixa salarial:

1. Engenheiro de equipamentos (Mecânica)
Formação necessária: graduação superior em engenharia mecânica.
O que faz: Acompanha, participa e executa atividades de desenvolvimento, manutenção e inspeção de equipamentos, instalações e sistemas, e de estudos de viabilidade técnica de projetos, de acordo com as premissas da companhia, além de participar de avaliação de riscos de implantação de empreendimentos.

Salário inicial: remuneração mínima de 7,4 mil reais, mas dependendo do regime de turnos há adicionais.

2. Engenheiro de Petróleo
Formação necessária: graduação superior em engenharia. “Fazemos a seleção de pessoas formadas em linhas diversas de engenharia e depois elas vão fazer os cursos de formação”, diz Correa. O curso de formação do engenheiro de petróleo oferecido pela Universidade Petrobras, um dos cargos técnicos mais especializados, dura cerca de um ano.

O que faz: Acompanha, participa e executa os trabalhos de perfuração, completação e manutenção de poços, cálculos das reservas de óleo e gás e estudos integrados de reservatórios, e participa do processo de certificação de reservas.

Salário inicial: remuneração mínima de 7,4 mil reais, mas dependendo do regime de turnos há adicionais.
3. Engenheiro de processamento
Formação necessária: graduação superior em engenharia química.
O que faz: Acompanha, participa e executa atividades relacionadas aos processos de otimização, produtividade, qualidade de dados, projetos, operações, insumos e matérias-primas, desenvolvendo e utilizando modelos matemáticos e programas de simulação para validação dos processos químicos, petroquímicos e de logística.

Salário inicial: remuneração mínima de 7,4 mil reais, mas dependendo do regime de turnos há adicionais.

4. Geofisico

 Formação necessária: graduação superior em Física.

O que faz: acompanha, participa e executa atividades relacionadas a projetos e contratos de aquisição geofísica, como, por exemplo, avaliações, análises, processamentos, interpretações, parametrizações e atualização de banco de dados; atividades de pesquisa e desenvolvimento de tecnologia geofísica e trabalhos relacionados ao cálculo de reservas.

Salário inicial: remuneração mínima de 7,4 mil reais, mas dependendo do regime de turnos há adicionais.
5. Geólogo

Formação necessária: graduação superior em geologia ou engenharia geológica.

O que faz: acompanha, participa e executa atividades relacionadas aos projetos exploratórios, efetuando o seu mapeamento geológico, analisando dados e potenciais, quantificando incertezas e analisando riscos, para garantir a qualidade do processo.

Salário inicial: remuneração mínima de 7,4 mil reais, mas dependendo do regime de turnos, há adicionais.
E agora, como chegar lá?
Correa faz mistério quando o assunto é a próxima seleção pública. “Neste ano pode ter ou não concurso”, diz. Isso porque a decisão final só acontecerá após a revisão da demanda com base no Plano de Negócios.

“A Petrobras já tem tudo organizado caso haja necessidade de concurso neste ano, mas depende desta revisão”, explica. Até julho, 1.460 aprovados na seleção do ano passado começam a trabalhar na companhia.

No entanto, a movimentação de quem está de olho em uma oportunidade profissional na companhia já começou. O professor e coordenador do curso preparatório CPOG no Rio de Janeiro, Octavio Gouveia, explica o motivo de tanto “burburinho” entre os concurseiros. “É que o sistema Petrobras, que engloba a Petrobras Holding, a BR distribuidora e a Transpetro, costuma ter de 3 a 4 concursos por ano”, diz.

Ele prevê que seja lançado um edital ainda no primeiro semestre. “Geralmente, os editais trazem dois terços das oportunidades voltadas para nível técnico e um terço para quem tem nível superior”, diz.

“No primeiro, o curso é de 5 meses e, no segundo, é dois meses a partir do lançamento do edital”, explica. De acordo com Gouveia, os candidatos a uma vaga na Petrobras devem estudar por dia um mínimo de 2 horas e máximo de 4. Concentração afiada e apostilas na mão é, sem dúvida, a fórmula indicada para conquistar um lugar na empresa dos sonhos dos jovens brasileiros.

Fonte Exame

8 commenti:

  1. Vero. Bisogna però ricordare che essendo la Petrobras un'impresa "statale", nell'"edital" dei concorsi troviamo quasi sempre al primo punto dei requisiti richiesti la seguente dicitura (come per i posti nell'amministrazione pubblica brasiliana):

    4.1 - Ter nacionalidade brasileira ou portuguesa e, em caso de nacionalidade portuguesa, estar amparado(a) pelo estatuto de igualdade entre brasileiros e portugueses, com reconhecimento de gozo de direitos políticos, nos termos do parágrafo 1.º, artigo 12, da Constituição Federal e do Tratado de Amizade, Cooperação e Consulta, promulgado no Brasil através do Decreto nº 3.927/2001.

    Comunque, in generale, il salario per un ingegnere è più alto che in Italia. Il problema é essere assunti, essendo straniero, come ingegnere.

    RispondiElimina
    Risposte
    1. Sono d'accordo ma esistono molti casi in cui italiani sposati con brasiliane fanno studiare i figli in Italia pensando erroneamente che così hanno maggiori possibilità .

      Elimina
    2. Ciao Antonio, hai citato proprio il mio caso. Premesso che i miei figli hanno entrambi la doppia cittadinanza, ho pensato che sarebbe stato meglio per loro studiare in Italia.
      Naturalmente sono disponibile a rivedere la mia posizione o a sentire tutte le altre campane possibili. Perchè pensi sia errato che una laurea italiana dia maggiori possibilità?
      Un caro saluto
      Mario

      Elimina
    3. Ciao Mario

      La fuga dei cervelli non ti dice nulla ? La risposta alla tua domanda è semplice ,in Italia manca il lavoro qualificato e la situazione è destinata a peggiorare . Io ho due figli laureati ed io stesso lo sono e nessuno di noi lavora in Italia . Io vivo in Brasile dopo aver perduto il lavoro a 50 anni( e da 7 attendo la liquidazione ) ed i miei due figli a Londra.Ho altri due fratelli entrambi laureati uno medico e l'altro ingegnere che lavorano in Italia e che se potessero scapperebbero anche loro .

      Elimina
    4. Scusa Antonio, sono stato incompleto io.
      Volevo dire che vorrei farli studiare in Italia dove ritengo che il livello di istruzione sia migliore (ma sempre pronto a rivedere la mia opinione se ci sono dati che la confutano), però vorrei che lavorassero in Brasile, dove penso che un titolo di studio italiano possa darli qualche chances in più.
      Mario

      Elimina
    5. oggi come oggi dà molte più possibilità una laurea brasilana

      Elimina
    6. ciao Mario, l'istruzione in generale é migliore in Italia in termini assoluti, anche se ci sono università e corsi ottimi anche in Brasile; l'impostazione è più pratica e meno teorica, questa è la differenza fondamentale. Il titolo di studio italiano in Brasile non vale assolutamente niente: bisogna affrontare il processo di rivalidazione con tutte le incognite relative in termini di tempo (considera 1,5-2 anni se va bene), costi e integrazioni (ma difficilmente otterrai una rivalidazione senza frequentare qualche materia in loco, perchè il curriculum formativo deve corrispondere al 100%, quindi è praticamente impossibile). Considera poi che molti qui proseguono dopo la semplice graduaçao, facendo mestrado, doutorado e pos-doutorado! Una laurea italiana rivalidata vale comunque come una semplice graduaçao, a meno di avere veramente i santi in paradiso per riconoscerla come mestrado, cosa che comunque varrebbe solo per lauree "nuovo ordinamento".

      Elimina
  2. Scusate l'ignoranza, ma i salari sopra citati sono netti o lordi?

    RispondiElimina

Lasciate qui un vostro commento