sabato 9 febbraio 2013

Gli immobili in "soft landing " nel corso del 2013

Si torna a parlare del mercato immobiliare in Brasile dove per il 2013 è previsto un soft landing ovvero un atterraggio morbido dei prezzi nelle grandi città . L'articolo che segue . tratto da Terra.com segnala questa tendenza che è oramai in atto già da un po .
Personalmente qui a Natal abbiamo assisitito negli ultimi tempi alla nascita degli outlet degli immobili con offerte da parte di tutti i grandi costruttori di immobili dello stock di invenduto .

Vere occasioni ? Non sempre direi . Appartamenti da noi venduti a  R$ 150 000 un anno fa vengono offerti a  R$ 220 000  !!! Pertanto tutto è da prendersi con le dovute cautele .
Gli affari esistono in ogni periodo e dipendono da circostanze non sempre legate alla macroeconomia . 





Os preços dos imóveis nas principais cidades brasileiras devem intensificar a tendência de estabilização a partir de 2013, acompanhando o cenário de acomodação de renda e crédito, afirmaram economistas nesta segunda-feira. O preço médio do metro quadrado de imóveis anunciados em 16 cidades brasileiras iniciou o ano com alta de 0,9% em janeiro sobre dezembro, segundo o índice FipeZap ampliado, crescimento inferior ao visto um ano antes, quando houve aumento de 1,1%.

"O grande motor para explosão dos preços foi renda e crédito, fatores que vão ter comportamento diferente agora", disse o coordenador do Fipe Zap, Eduardo Zylberstajn, prevendo uma tendência de estabilização da renda e da oferta de crédito. "As condições para compra de imóveis não vão melhorar tanto quanto já melhoraram, o que deve resultar em menor pressão da demanda (sobre os preços)".

Para Zylberstajn, ao ser menos incentivada, a demanda deve se refletir em menor aumento de preços, que acompanharão o desempenho da inflação, embora em grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro, o movimento pode seguir mais forte. "Oscilações vão continuar ocorrendo, dependendo da localização do imóvel", acrescentou.

Para o economista Danilo Igliori, do BTG Pactual, não deve haver queda acentuada nos preços de imóveis. Em vez disso, o provável é uma desaceleração da alta. Igliori disse não ver a capacidade de pagamento dos tomadores como uma preocupação, considerando que a taxa de desemprego se mantém baixa.

Preço cai em sete cidades


Segundo o índice Fipe Zap, a variação de preço acumulada desde junho de 2012 mostrou queda real do metro quadrado anunciado em sete cidades do País: Curitiba (-6,1%), Brasília (-5,8%), Florianópolis (-4,4%), Vila Velha (-3,5%), Vitória e Belo Horizonte (ambas com -1,1%) e Recife (-0,6%).
Por outro lado, Niteroi (+5,4%) e Porto Alegre (+4,6%) registraram os maiores aumentos reais nos preços. São Paulo e Rio de Janeiro registraram nesse mesmo período aumentos reais de 4,2% e 3,5%, respectivamente.

Ainda conforme o indicador, o Rio de Janeiro respondeu pelo metro quadrado mais caro do País, alcançando R$ 8.711 no mês passado. Já em Vila Velha (ES) foi apurado o menor valor, de R$ 3.440. Em São Paulo, o preço do metro quadrado em janeiro foi de R$ 6.922, enquanto a média das 16 cidades pesquisadas foi de R$ 6.350.

Desenvolvido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) em parceria com o portal online Zap Imóveis, o indicador passou a acompanhar neste ano o preço médio do metro quadrado de imóveis prontos anunciados nas cidades de Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, em São Paulo; Niterói (RJ), Vitória e Vila Velha, no Espírito Santo; Porto Alegre (RS), Curitiba (PR) e Florianópolis (SC).

Fonte : Economia.terra.com.br

1 commento:

  1. A variação dos preços dos imóveis em 16 cidades brasileiras
    Índice FipeZap, que acompanha os preços dos imóveis anunciados pelo Brasil, é ampliado e inclui dados de mais nove regiões, como Niterói, ABC Paulista e capitais do Sul

    São Paulo – O Índice FipeZap – indicador que acompanha o preço do metro quadrado dos imóveis usados anunciados em diversas cidades brasileiras – foi divulgado nesta segunda-feira com uma novidade: agora, além das sete regiões que já eram acompanhadas pelo indicador, outras nove cidades foram incluídas na cobertura. Além de São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Distrito Federal, Recife, Fortaleza e Salvador, agora também são monitoradas Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Vitória, Vila Velha (ES), Santo André (SP), São Bernardo do Campo (SP), São Caetano do Sul (SP) e Niterói (RJ).

    O chamado Índice FipeZap Ampliado, que inclui as novatas, teve alta de 0,9% em janeiro, a mesma cifra do Índice FipeZap Composto, que inclui apenas as sete regiões originais. Isso significa que os preços anunciados de imóveis usados, divulgados principalmente no site de classificados Zap Imóveis, subiram 0,9% na média das 16 regiões. Destas, seis regiões tiveram valorização inferior à inflação oficial (pelo IPCA): Distrito Federal, Recife, Niterói e as cidades do ABC Paulista. Duas delas, Distrito Federal e Recife, tiveram queda nominal de preços no primeiro mês do ano.

    Veja na tabela a seguir o comportamento dos preços de cada cidade, ordenadas da maior para a menor alta no mês de janeiro de 2013:

    Var mensal Janeiro/13 Var mensal Dezembro/12 Em 12 meses

    Fortaleza 3,40% 0,60% 14,40%
    Salvador 1,40% 2,10% 10,50%
    Belo Horizonte 1,30% 1,10% 10,40%
    Porto Alegre 1,30% 1,20% ND
    Florianópolis 1,10% 0,20% ND
    Rio de Janeiro 1,00% 1,00% 14,70%
    Vila Velha 1,00% 0,50% ND
    São Paulo 0,90% 0,80% 15,40%
    Curitiba 0,90% 1,90% ND
    Vitória 0,90% 0,70% ND
    Índice FipeZap Composto (7 cidades) 0,90% 1,00% 13,50%
    Índice FipeZap Ampliado (16 cidades) 0,90% 1,00% ND
    IPCA 0,89%* 0,79% 6,19%*
    Santo André 0,80% 0,80% 11,00%
    São Caetano do Sul 0,70% 0,50% 12,90%
    Niterói 0,60% 0,80% 16,70%
    IGP-M 0,34%* 0,68% 7,91%*
    São Bernardo do Campo 0,00% 0,30% 13,00%
    Distrito Federal -0,10% 1,50% 4,00%
    Recife -0,20% 0,40% 13,70%
    (*) Estimativa do Banco Central
    Fonte: Índice FipeZap

    RispondiElimina

Lasciate qui un vostro commento