sabato 16 marzo 2013

Lo smemorato di Collegno ... a Natal

Una giovane donna di pelle scura , alta circa 1 metro e 80  è stata incontrata ieri ad una fermata di omnibus in apparente stato confusionale . 
La donna prontamente ricoverata presso il Semthas ( Secretaria Municipal de Trabalho, Habitação e Assistência Social ) non sembra comprendere il  portoghese , l'inglese , il francese nè la lingua dei sordomuti .

Al momento identità e nazionalità sono sconosciuti . La foto del volto della  giovane non è stata pubblicata ma sono stati comunicati dei dettagli quali una cicatrice sul braccio e la lettera R tatuata sulla mano sufficienti , per chi la conosce davvero al suo riconoscimento .Nella foto , la giovane di spalle .
Un caso ideale per " Chi l'ha visto " la popolare trasmissione italiana .


Uma mulher foi encontrada perdida em uma parada de ônibus da avenida Presidente Bandeira, no bairro do Alecrim, zona Leste de Natal, nesta quinta-feira (14). Segundo os moradores da região, ela estava atordoada e não conseguia se comunicar. A jovem é negra, tem cabelo rastafari, tatuagem, uma cicatriz na mão direita e mede aproximadamente 1,8 metro. Ela está aos cuidados da Secretaria Municipal de Trabalho, Habitação e Assistência Social (Semthas).

"A gente nunca tinha visto ela por aqui. Estranhamos o comportamento dela na parada de ônibus. Ela estava muito perdida, confusa, atordoada. Então procuramos ajudá-la. Mas a menina não entendia nenhum idioma", lembrou Edson Wander, comerciante.

A identidade da jovem é um mistério, assim como a nacionalidade. Segundo a Semthas, ela demonstra não entender português, inglês e francês. Como não fala e não há certeza se ela ouve, os assistentes sociais tentaram se comunicar por meio da Linguagem Brasileira de Sinais (Libras), mas foi em vão.

A mulher também não ecreve e aparenta não compreender o que é escrito. Só reconhece alguns desenhos. "Ela reage mais quando desenhamos algo, mas é tudo muito superficial. Ao ver o mapa mundial, ela não esboçou reação. Mas quando mostrei o mapa da África, ela fez gestos indicando que o local de origem é muito mais longe. Porém, ainda não houve avanços", indicou Ania Maruska Petersen, pedagoga da Semthas.A jovem passou a noite no albergue público de Natal, e continua sob os cuidados da Senthas. Ela tem uma cicatriz no braço, a letra 'R' tatuada na mão e marcas de feridas nas pernas. As características são importantes para a identificação da jovem, uma vez que o rosto não foi divulgado para preservá-la.

"Mesmo sem ver o rosto dela, quem a reconhecer pelas características que divulgamos, por favor, entre em contato com a Semthas pelo telefone (84) 3232-9051", finalizou Ania Maruska Petersen.

Fonte : Globo 

Nessun commento:

Posta un commento

Lasciate qui un vostro commento