Home economia Carte di credito con effetto ” bola de neve “

Carte di credito con effetto ” bola de neve “

4
3
CONDIVIDI
Il pagamento con carta di credito nella modalià rotativo e con pagamento minimo della rata si sta rivelando una vera trappola finanziaria . Senza disciplina nella spesa e soprattutto senza una adeguata formazione culturale questo sistema di pagamento sta trascinando nella ” inademplencia” milioni di consumatori .
I tassi di interesse per questa modalità di pagamento possono arrivare al 14% al mese determinando un effetto a valanga sul debito che qui chiamano ” bola de neve ” che lo rende  impagabile in pochi mesi . 


Sete em cada dez brasileiros endividados consultados pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) em outubro admitiram que têm dívidas no cartão de crédito.

 Em Natal, mais da metade (24,8%) dos endividados (43,3%) apontam o cartão de crédito como causa do seu endividamento, segundo pesquisa realizada este mês pelo Serviço de Proteção ao Crédito do RN.
Um levantamento realizado no banco de dados do Banco Central ajuda a explicar porque o total de pessoas com dívidas no cartão chega a ser até quatro vezes maior que o total de brasileiros com dívidas no carnê – segunda maior causa de endividamento – no país.

Apesar de ter as taxas de juros mais altas do mercado, o rotativo do cartão de crédito – quando se paga o mínimo e financia o restante da dívida no cartão – foi a segunda ‘modalidade de crédito’ mais usada pelos brasileiros em setembro desse ano, dado mais recente fornecido. 

O rotativo só ficou atrás do cheque especial, em termos de valor emprestado através de novas operações. A preferência pelo cartão de crédito é uma das razões para a taxa de inadimplência no Rio Grande do Norte entre janeiro e outubro desse ano ter atingido 17,4%, a maior para o período desde 2010, diz o vice-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Natal e diretor do SPC no estado, Augusto Vaz. “O rotativo do cartão é um trampolim para a inadimplência”, observa Vaz.

Acesso


A explicação por trás da preferência dos brasileiros, apesar das altas taxas de juros, está na facilidade com a qual se ‘acessa’ essa modalidade de crédito, diz Vinício de Souza e Almeida, doutor em Finanças pela Coppead/UFRJ, professor adjunto no Departamento de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e coordenador do programa de especialização em mercado de capitais da universidade. “A concessão é menos restritiva”.

Toda essa facilidade, no entanto, tem um preço. Enquanto as taxas de juros de um empréstimo consignado (modalidade com taxas mais baixas) giram em torno de 2% ao mês, as do cartão de crédito podem ultrapassar 14% ao mês.
Uma ferramenta recém-lançada pelo Banco Central mostra quanto ‘pesa’ pagar o mínimo do cartão de crédito. Segundo a Calculadora do Cidadão, disponível no site do BC, uma dívida contraída no cartão chega a mais do que dobrar em poucos meses, tornando-se muito maior do que se tivesse sido contraída através do cheque especial, crédito pessoal ou consignado, com taxas de juros menores.

3 Commenti

  1. Questo delle carte revolving brasiliane a tassi capestro è un problema annoso in quanto hanno in gran parte sostituito i cari vecchi assegni post datati che erano usatissimi e senza interessi. Il problema vero però è nella testa delle persone. Mia cognata è una di quelle che corre costantemente dietro as parcelas e quando gli dico che è meglio NON comprare piuttosto che comprare a rate mi guarda con occhi increduli, sono convinto che pensa che io sia il pazzo e non lei!

    • Vero.
      Sembra quasi che per loro, tirando fuori la magica tesserina,le compere siano gratis. E se per caso vanno in un posto dove non c'é la machinetta per passare l'ingannoso passepartout. Guardano l'esercente quasi con disprezzo.
      E'proprio un'altro mondo. Ed é così che le banche fanno leva senza indugi.
      In Brasile é ancora più semplice per loro guadagnare sulle spalle della povera gente e non solo.

LASCIA UN COMMENTO

Please enter your comment!
Please enter your name here