Home hotel Come la Copa sta animando il commercio nel Rio Grande do Norte

Come la Copa sta animando il commercio nel Rio Grande do Norte

5
0
CONDIVIDI
A Copa começa daqui a seis meses, mas já tem empresário lucrando mais com o Mundial, no Rio Grande do Norte. A proximidade do evento fez vários potiguares correrem para os bancos e deixarem boa parte do dinheiro que tomaram emprestado em lojas de material de construção, de equipamentos industriais, e até de implementos agrícolas.Só no Banco do Nordeste (BNB), o valor emprestado para o setor do turismo saltou de R$ 6,7 milhões, em 2012, para R$ 80 milhões, em 2013 – um aumento superior a 1.000%. Boa parte deste recurso, observa o banco, foi investido na reforma e construção de hotéis, pousadas, bares e restaurantes na cidade. 
João Maria AlvesGrupo Sterbom está investindo R$ 8 milhões em suas unidades de sorvetes, polpa de frutas e água mineral para atender demandaGrupo Sterbom está investindo R$ 8 milhões em suas unidades de sorvetes, polpa de frutas e água mineral para atender demanda

Bom para as fábricas e lojas de material de construção, que receberam R$ 5,2 milhões só de um empresário no Estado. O valor foi pago pelo hoteleiro George Gosson que vai inaugurar um hotel a poucos metros do estádio Arena das Dunas até a Copa, o Holiday In Arena das Dunas. O empreendimento já está na fase de acabamentos e emprega hoje 250 pessoas. Ao todo, o empresário está investindo R$ 35 milhões. Quinze por cento desse total, em média, está sendo gasto só com material de construção.

O empresário Tales Rosado é outro que investiu apostando no Mundial. Ele é dono de quatro unidades do Subway e abriu uma pizzaria na cidade há poucas semanas – a Domino’s Pizza Delivery. O empresário espera abrir uma outra, também perto do estádio Arena das Dunas, a poucas semanas da Copa. Está investindo, em média, R$ 650 mil em cada unidade e pagando R$ 200 mil só em material de construção. A expectativa, segundo ele, é dobrar as vendas durante a Copa. O investimento foi acelerado, de olho no Mundial.

Segundo o Banco do Nordeste (BNB), comércio e serviços são os setores que mais têm buscado recursos para a Copa. Isso não significa, entretanto, que outros segmentos também não tenham buscado crédito.

O agricultor José Damásio Pereira Gomes, 39, por exemplo, pegou R$ 120 mil emprestado no banco e e garantiu a irrigação de sua plantação. De olho na Copa, plantou 600 coqueiros. Problemas envolvendo a instalação dos equipamentos e a falta de água na região, no entanto, atrapalharam os planos do produtor e impediram que ele vendesse água de coco para os turistas estrangeiros durante os jogos.

Antônio Leite é industrial e também está investindo há dois anos para aproveitar a demanda gerada pela Copa, com a vinda das seleções e torcedores estrangeiros. Antônio está aplicando R$ 8 milhões nas fábricas de sorvetes, picolés, polpa de frutas e água mineral do grupo. Parte desse dinheiro, afirma ele, está indo direto para fábricas de caixas de papelão e embalagens plásticas locais.

“Nosso consumo de caixas de papelão e embalagens vai subir entre 30% e 40%. Com a ampliação das fábricas, nossa produção de sorvetes subirá 75% e a de picolés subirá 125%, sem contar com a produção de polpa de frutas e a de água mineral, que subirá 242,8% até a Copa”, afirma Antônio, proprietário da Sterbom. Todo esse esforço faz sentido. Antônio espera, durante o Mundial, conquistar clientes estrangeiros, e assim, entrar em novos mercados. “Vários estrangeiros já nos procuraram para fechar parcerias”, observou.

A busca por crédito, segundo os bancos, ainda não cessou. A expectativa é que o volume emprestado suba ainda mais no ano da Copa. “Eu mesmo vou continuar investindo, para atender a demanda que será cada vez mais crescente”, corrobora Antônio.



Fonte : Tribuna da tarde

LASCIA UN COMMENTO

Please enter your comment!
Please enter your name here