giovedì 22 maggio 2014

Enrico Pizzolato resta in prigione in Italia


A Corte Suprema de Cassação da Itália – última instância da Justiça do país – negou o pedido para que Henrique Pizzolato, o ex-diretor do Banco do Brasil condenado no processo do Mensalão , espere em liberdade a decisão sobre sua extradição ou não para o Brasil, feito por seu advogado. Ou seja, negou a soltura, alegando risco de fuga. 

Pizzolato está preso em Modena desde o dia 5 de fevereiro, quando a polícia italiana, a pedido da Interpol, o flagrou na casa de um sobrinho na cidadezinha de Maranello.

Esta foi a terceira vez que Pizzolato tentou convencer a Justiça italiana a soltá-lo. Foi sua última chance. A Corte Suprema de Cassação manteve, essencialmente, a decisão do Tribunal de Bolonha, onde corre o processo de extradição, de mantê-lo preso por conta do risco de fuga. Isso significa que brasileiro poderá passar ainda vários meses na prisão italiana, se o processo de extradição seguir o ritmo atual.
A primeira audiência para discutir a extradição de Pizzolato está marcada para o dia 5 de junho, no Tribunal de Bolonha. Poderá ser a primeira de uma série : tanto o governo brasileiro quanto Pizzolato terão direito de contestar as futuras decisões do Tribunal de Bolonha e fazer o processo se arrastar até a Corte Suprema de Cassação, em Roma. Independentemente da decisão da Justiça italiana, última palavra sobre a extradição de Pizzolato será política : dada pelo Ministro da Justiça italiano. O ministro pode negar a extradição, mesmo se a Justiça italiana decidir que Pizzolato deve ser enviado ao Brasil. Mas o ministro só não pode fazer o contrário, isto é, aprovar a extradição se a Justiça negá-la.

Na quarta-feira, quando foi à Corte de Cassação em Roma defender a soltura, o advogado de Pizzolato, Alessandro Sivelli, disse numa rápida entrevista à TV GLOBO que era absurdo manter seu cliente na prisão por risco de fuga. Segundo o advogado, Pizzolato está sofrendo muito e se considera injustiçado. Sivelli confirmou que a defesa vai usar as precárias condições de cárcere no Brasil como um dos argumento para impedir sua extradição. Segundo ele, o próprio promotor do caso no Tribunal de Bologna teria admitido "que as prisões (no Brasil) são muito ruins". O advogado repetiu o argumento de Pizzolato, de que a condenação de seu cliente no julgamento do Mensalão foi "política". Mas não quis dar mais informações sobre os próximos passos.

Fonte : O Globo

4 commenti:

  1. a scegliere dove stare in galera,dico 10 a 0 per l'italia ma se hai i soldi ed elargisci un po di mance,magari anche in brasile non si sta poi cosi male e in piu non esiste l'inverno se stai a nord di rio.saluti
    francis

    RispondiElimina
  2. Uno che e' scappato falsificando um passaporto com il nome del fratello morto non offre pericolo di fuga?

    RispondiElimina
  3. L'avvocato difensore si preoccupa che Pizzolato vada in una prigione in Brasile, perchè dice" non sono molto confortevoli". Ma l'avvocato non si é informato sulle condizioni delle prigioni italiane, considerate le peggiori d'Europa ? Secondo l'istituzione carceraria italiana, attualmente ci sono piú di sessantamila carcerati in spazi e strutture per circa 45.000. La Corte di Giustizia di Strasburgo ha giá condannato l'Italia per la situazione delle carceri. A quanto pare, tutto continua come sempre.... tanto le multe milionarie sono pagate con i soldi delle tasse dei cittadini.

    RispondiElimina
    Risposte
    1. le multe le prende l'italia ma non le paga,fortunatamente per noi perche altrimenti era gia fallita da tempo.non si contano piu le volte in cui l'italia e stata condannata e multata da strasburgo per le pensioni che si ottengono solo se hai contribuito 20 anni ed e illegale.in ogni paese europeo degno di questo nome,riceve una pensione a seconda dei contributi versati anche se solo per 1 anno.in italia,se non contribuisci 20 anni,marameo.saluti

      Elimina

Lasciate qui un vostro commento