domenica 8 maggio 2016

Inflazione individuale


Questo post  corrobora il contenuto del mio post di qualche mese fa http://www.vivereinbrasile.com/2015/11/vivere-di-rendita-finanziaria-

L'articolo che segue conferma che l'inflazione è una questione personale legata alle abitudini ed ai consumi individuali . Infatti il valore di 129% in dieci anni si riferisce ad un paniere fisso di beni ma come è noto il consumatore varia il contenuto del paniere a suo piacimento e/o necessità . Ad esempio chi preferisce il riso alle patate ed il pesce alla carne vedrà di fatti ridotta la sua inflazione in maniera considerevole . Invece del mandarino ( tangerina ) è altrettanto ottimo consumare le arance che difatti sono aumentate di pochissimo e così via .

Ogni giorno , da quando sono in Brasile , annoto le spese sostenute divise per tipo ed il relativo cambio euro/real . Ebbene ho scoperto che confrontando il valore della spesa annuale per alimentazione e ristoranti nel 2007 e quella nel 2015 ( 9 anni ) sono passato da  R$ 9 000 equivalenti a R$ 14 500  al cambio attuale   a R$ 18 500  , appena  R$ 4000 o 1000 euro in più !!! Ecco perchè sostengo che l'inflazione è un fatto individuale .

Nel frattempo però la rendita finanziaria , legata alla SELIC , si è mantenuta elevata , im media oltre il 10% annuo , anche se variabile come mostra il grafico seguente :


Morale del post ? Sino ad oggi vivere di rendita finanziaria compensando l'inflazione ed aumentando anche il capitale è stato possibile . Lo sarà ancora in futuro ? Nessuno può saperlo ma non mi pare che la terza guerra mondiale sia imminente .


Em dez anos, alimentos e bebidas aumentaram 129%, segundo IBGE. Para quem costuma ir à feira e ao supermercado, não é novidade: os alimentos e bebidas subiram bem acima da inflação nos últimos anos. Desde 2007, a alta média de preços desse grupo bateu em 129% – enquanto isso, a inflação oficial, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ficou em 77,4%, segundo Eulina Nunes, coordenadora de índice de preços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estática (IBGE).

Para alguns alimentos, no entanto, a alta foi ainda mais forte. Itens que frequentam bastante a mesa do brasileiro chegaram a subir mais de 300%.

É o caso da cebola, que ficou 438,99% mais cara desde janeiro de 2007. Já o preço da batata inglesa subiu 393,76%, enquanto o da tangerina, 390,95%.

“[A alta de alimentos ocorreu] principalmente por problemas climáticos, não só no país, como no mundo todo. E isso aliado também porque, e hoje está vendo contenção da demanda, a demanda cresceu muito, principalmente com os países emergentes, como Índia, China. E a renda do país [Brasil] que aumentou nesse período. Então, houve uma demanda muito mais forte sobre os alimentos”, explicou Eulina.

Por outro lado, para quem gosta de peixes a notícia é boa: o peroá, o pintado e o linguado ficaram mais baratos nos últimos dez anos. As quedas de preços foram de 23,15%, 8,48% e 0,64%, respectivamente – boas ideias para quem quer economizar no cardápio de casa.

Alta em abril

Em abril deste ano, apesar de terem subido menos de um mês para o outro (de 1,24% para 1,09%), os alimentos exerceram uma das principais influências, porque têm um peso muito grande no bolso do consumidor. A alimentação fora de casa também subiu em uma velocidade menor, de 0,68% em março para 0,50% em abril. Os números de abril foram divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira (6).

"Alimentação, embora tenha ficado um pouco abaixo [do mês anterior, quando ficou 1,24%], continua apresentando preços elevados, taxa relativamente alta com 1,09%. E é um grupo que responde por um quarto das despesas das famílias”, afirmou.

Veja os itens com maior alta de preços de janeiro/07 a abril/16

Cebola: 438,99%
Batata-inglesa: 393,76%
Tangerina: 390,95%
Mandioca (aipim): 372,87%
Abóbora: 337,02%
Cenoura: 336,36%
Repolho: 290,14%
Pimentão: 275,90%
Polpa de açaí: 270,33%
Mamão: 266,64%

Veja os itens que menos subiram de preços entre janeiro/07 e abril/16

Peixe - peroá: -23,15%
Peixe - pintado: -8,48%
Peixe - linguado: -0,64%
Cogumelo em conserva: -0,57%
Bacalhau: -0,53%
Abacate: 3,83%
Leite com sabor: 7,15%
Peixe - badejo: 14,20%
Leite fermentado: 14,53%
Feijoada em conserva: 21,07%

4 commenti:

  1. Quanto capitale liquido è necessario per un single per vivere di rendita in brasile. Cin casa propria. Grazie dell eventuale risposta

    RispondiElimina
    Risposte
    1. Caro Anonimo

      ho pubblicato una serie di articoli specialistici sull'argomento che non posso riassumere in poche righe .Il primo è a questo link :http://www.vivereinbrasile.com/2015/10/vivere-di-rendita-finanziaria1.html , i successivi li trovi a distanza di qualche giorno .

      Elimina
    2. gentile Anonimo, hai già scelto la città (cittadina) dove vivere? E' sul mare, in campagna, in serra, o......Il costo per vivere dipende molto dalla localizzazione e....dal proprio stile/costume di vita. La segnalazione di Antonio (ottoaprile) ti sarà utilissima. Io aggiungo che vivere in Sao Paolo - Rio de Janeiro - Belo Horizonte - Curitiba - Florianopolis costa come e piu' dell'Italia, circa il 40-45%.

      Elimina
  2. ma SOPRATUTTO... hai pensato al permesso di soggionro?

    RispondiElimina

Lasciate qui un vostro commento