Home Vivere in Brasile Il gigante della telefonia Oi chiede l ‘amministrazione controllata e le azioni...

Il gigante della telefonia Oi chiede l ‘amministrazione controllata e le azioni totalizzano una perdita del 60% nel 2016 .

4
5
CONDIVIDI

As ações da Oi operam em forte queda nesta terça-feira (21), chegando a desabar 30% na mínima da sessão, após a empresa anunciar na véspera que entrou com pedido de recuperação judicial. 

A Justiça ainda precisa aceitar o pedido. Por conta da forte queda, a BM&F Bovespa chegou a suspender as negociações dos papéis da empresa na bolsa no início dos negócios, por aproximadamente 1 hora.

Após a abertura das negociações, os papéis da Oi entraram em um leilão para ser definido o preço inicial das ações, às 11h. Isso ocorre, pelas regras da bolsa, quando um fato novo é anunciado antes do início dos negócios, como foi o caso do anúncio de recuperação judicial na véspera.

Até as 12h, os papéis já tiveram 5 leilões, anunciados após forte oscilação de preço, segundo a BM&F Bovespa. Há possibilidade de novos leilões, conforme as regras da bolsa para casos de forte variação das ações.

Perto das 15h36, as ações preferenciais da empresa caíam 21,21%, cotadas a R$ 0,78. Os acionistas que possuem esses papéis têm preferência na distribuição de dividendos. Na mínima do dia, o preço da ação chegou a R$ 0,68. Já as ações ordinárias (que dão ao acionista direito a voto em assembleias da empresa) caíam 18,25%, a R$ 1,03. Na mínima do dia, o preço chegou a R$ 0,98.

Com o tombo desta terça-feira, as ações da Oi acumulam em 2016 desvalorização de cerca de 60%, segundo a Reuters.




Índices da bolsa


A BM&F Bovespa também anunciou que, no final do pregão desta terça, os papéis da Oi serão retirados dos índices de ações. Isso acontece por causa do pedido de recuperação judicial, conforme as regras da bolsa. A retirada, no entanto, não significa que as ações deixarão de ser negociadas na bolsa.

A Oi não faz parte do Ibovespa, o principal índice da bolsa. Mesmo assim, as notícias sobre a empresa repercutiam no índice nesta terça, com papéis de bancos, credores da empresa, se destacando entre as principais pressões de queda do dia. Já as ações da TIM e da Vivo, que também fazem parte do Ibovespa, operavam em alta.

As ações da Oi fazem parte dos seguintes índices: Índice Brasil Amplo BM&FBOVESPA (IBrA), Índice Brasil 100 (IBrX 100), Índice de Governança Corporativa Trade (IGCT), Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC), Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), Índice Small Cap (SMLL).

Recuperação judicial

A Oi anunciou nesta segunda-feira (20), em fato relevante, que entrou com pedido de recuperação judicial no Rio de Janeiro, incluindo no processo um total de R$ 65,4 bilhões em dívidas. Trata-se do maior pedido de recuperação judicial da história do Brasil, de acordo com dados da Thomson Reuters.

A Oi é a maior operadora em telefonia fixa do país e a quarta em telefonia móvel, com cerca de 70 milhões de clientes.

“Considerando os desafios decorrentes da situação econômico-financeira das empresas Oi à luz do cronograma de vencimento de suas dívidas financeiras, ameaças ao caixa das empresas Oi representadas por iminentes penhoras ou bloqueios em processos judiciais, e tendo em vista a urgência na adoção de medidas de proteção das empresas Oi, a companhia julgou que a apresentação do pedido de recuperação judicial seria a medida mais adequada, neste momento”, informou a operadora, em comunicado.

O pedido vem após a Oi ter anunciado na última sexta-feira (17) que ainda não havia obtido acordo com credores para tentar reeestruturar sua dívida, considerada impagável.

Segundo a empresa, 60% de seus recebíveis (valores que a empresa tem a receber de clientes decorrente de vendas a prazo) estavam penhorados a bancos brasileiros.

Em comunicado, a maior concessionária de telecomunicações do Brasil afirmou que a medida visa, entre outros objetivos, proteger o caixa das empresas do grupo e garantir a preservação da continuidade da oferta de serviços aos clientes.

Segundo a Oi, “o total dos créditos com pessoas não controladas pela Oi listados nos documentos protocolados com o pedido de recuperação judicial soma, nesta data, aproximadamente R$ 65,4 bilhões”.

O pedido de recuperação judicial será deliberado em assembleia geral de acionistas. A empresa não informou para quando elas estão previstas.

A empresa também informou, por fato relevante, que não prevê fazer mudanças no quadro de funcionários ou de gestão das empresas Oi em razão da recuperação judicial. “Todas as obrigações trabalhistas da companhia e benefícios atuais serão mantidos normalmente”, disse a empresa.

Além disso, o foco em investimentos para melhora de qualidade dos serviços será mantido, assim como as metas operacionais para 2016, informou a Oi no comunicado.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações publicou uma nota informando que a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) já adotou as medidas para garantir o direito dos consumidoresapós o pedido de recuperação da Oi, mas não explicou quais são essas medidas.

O que é recuperação judicial


A recuperação judicial é o mecanismo através do qual as empresas em dificuldade financeira tentam reestruturar a dívida com credores. A lei 11.101, sancionada em 9 de fevereiro de 2005 pelo Presidência da República, regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade.

A lei de 2005 acabou com o instrumento da “concordata” no Brasil e permite que a empresa endividada apresente a sua própriaproposta para os credores.

A legislação fixa um prazo de 6 meses para a negociação entre as partes, que é intermediada por um administrador judicial nomeado pela Justiça. No caso de não haver acordo entre credores e devedores sobre o plano de recuperação, é decretada a falência.

O pedido da Oi envolve também suas subsidiárias integrais, diretas e indiretas: Oi Móvel, Telemar Norte Leste, Copart 4 Participações, Copart 5 Participações, Portugal Telecom International Finance BV e Oi Brasil Holdings Coöperatief U.A.


Fonte : Globo

5 Commenti

  1. Anche di questo di darà la colpa a Dilma e Lula? Secondo me la recessione importata del Brasile, che nessun governo avrebbe potuto evitare totalmente, si dovrebbe iniziare a fronteggiare con una seria lotta all'evasione fiscale dilagante e con una corposa riduzione dei tassi di interesse. Certo non so cosa ne pensi Temer e i suoi tirapiedi ….

  2. Ma se il real si rivaluta ogni giorno! E comunque nel NE adesso sono impegnati con la festa junina…non si preoccupano loro ti crucci tu?!

  3. i brasiliani, intendo la stragrande maggioranza dell'intero popolo, dovrebbero essere un poco piu' umili, un poco piu' critici sul loro Paese ed infine un poco meno orgogliosi di essere nativi di un Paese senza fondamenta e basato unicamente sull'allegria popolare e la speranza. Globo tv & C. dovrebbero iniziare una serie documentari culturali a lungo periodo sulla storia e cultura ( l'insieme di esperienze vissute con in testa le 2 guerre mondiali) di altri Paesi del mondo ed iniziare a fare delle comparazioni. Solo mettendo in confronto reale c'è speranza di un cambiamento. Oppure rimane solo l'allegria del popolo, che non è poco ma non da da mangiare a tutti.

    • Hai ragione undo, il più grande problema del Brasile è l'enorme deficit culturale che si origina nella scuole pubblica e privata. In Brasile a scuola la storia nasce praticamente con Don Pedro primo e secondo e delle guerre mondiali si accenna in maniera molto sommaria. Proprio per questo sono e vivono in maniera totalmente diversa da noi. Nel bene e nel male è così.

LASCIA UN COMMENTO

Please enter your comment!
Please enter your name here