venerdì 12 agosto 2016

3,2,1 ... manca poco che il Brasile decolli !


Lo afferma la nota rivista economica brasiliana ISTO E' ... DINHEIRO .Vari segnali di ottimismo tra imprenditori e investitori indicano che la ripresa della crescita sarà più forte e più rapida del previsto. Dietro agli aumenti consecutivi della borsa, della caduta del dollaro, dell'annuncio di nuovi investimenti e dell'elevazione dell'indice di fiducia nell'economia, c'è un'aspettativa di espansione  del PIL del 2%nel 2017 e del 4% nel  2018.

A me  personalmente questi decolli a razzo alla Flash Gordon mi sembrano anacronistici e preoccupanti . Anche il razzo celeste del dott.Zarro decolla tra il rombo e le fiamme dei motori per poi schiantarsi dul pianeta Mongo . Ecco non vorrei che ci schiantassimo anche noi su Mongo !

In questo momento quello che vedo decollare è il prezzo dei generi alimentari :provate ad acquistare del falso parmigiano o del falso gorgonzola e vedrete i salti che farete .

Se ci fossero dei  collezionisti tra i lettori faccio presente di possedere il primo numero di Flash Gordon riportato nel post ... ed anche i seguenti .
.

O empresário Ricardo Roldão é sócio e CEO de uma rede atacadista que deve faturar R$ 3 bilhões neste ano. No dia 15 de março, em um evento na capital paulista, Roldão estava inconformado com os rumos da política e não via outra saída senão o fim do governo Dilma Rousseff. Naquela data, Dilma havia anunciado a nomeação do ex-presidente Lula como ministro-chefe da Casa Civil, cargo que não chegaria a assumir. Dois meses depois, a DINHEIRO teve outro contato com o empresário em um almoço organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), também em São Paulo. Naquele momento, o presidente Michel Temer estava no cargo havia dez dias e já tinha anunciado a sua equipe econômica. A disposição de Roldão era bem diferente. Animado, ele traçava planos para o momento da virada econômica. Na quarta-feira 20, o dono do Atacadista Roldão foi além e anunciou a abertura de mais cinco unidades – a primeira será em agosto, na cidade de Santos –, totalizando 32.

“Quem demorar muito esperando a crise passar vai perder boas oportunidades”, diz ele . É esse tipo de otimismo o principal ingrediente que possibilitará um crescimento agregado de 6% do PIB em 2017 e 2018, segundo as mais recentes previsões de economistas e instituições ouvidos pela DINHEIRO.

A mudança no humor em relação ao Brasil pode ser constatada em diversos levantamentos. O BTG Pactual e a KPMG estimam que US$ 50 bilhões entrarão no País por meio de fundos dispostos a investir em projetos de longo prazo e em fusões e aquisições, assim que o impeachment for aprovado. A gestora canadense Brookfield, que tem US$ 225 bilhões em ativos, está de olho na infraestrutura e no mercado imobiliário brasileiros. A confiança também está em alta entre os players locais. Embora abaixo da marca dos 100 pontos (patamar otimista), o Índice de Confiança da Indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas (FGV) cresceu 11,6% nos últimos cinco meses, passando de 74,7 pontos para 83,4 pontos, o maior nível desde fevereiro de 2015. Os índices do comércio, dos serviços e dos consumidores seguem a tendência e, em todos os casos, a expectativa futura é muito maior do que a satisfação presente. Ou seja: ainda está difícil, mas vai melhorar.

Acompanhar com lupa os indicadores de confiança é uma rotina para o economista sênior do Banco Pine, Marco Caruso. Embora utilize modelos econométricos para fazer suas previsões, Caruso percebeu que é possível antecipar a tendência do PIB calculado pelo IBGE por dois trimestres ao compará-lo com o índice de confiança da FGV, cuja mediana desde 2001 é de 101 pontos (atualmente o ICI está em 83,4 pontos, conforme descrito no parágrafo anterior). Se a confiança voltar ao patamar histórico já no ano que vem, o PIB poderá crescer, no limite, 3%. Se o patamar de 101 pontos for alcançado apenas em 2018, o crescimento econômico será menor, de 1%. “O meu cenário mais provável ainda é de 1% para o PIB, mas o recado é que o PIB de 2017 está em aberto e depende da retomada da confiança”, diz Caruso.
A projeção do economista está em linha com a mediana do mercado. O Boletim Focus do Banco Central, que compila semanalmente as previsões de cerca de 100 instituições, mostra que os analistas projetam um crescimento de 1,1% do PIB em 2017. Há no mercado consultorias com projeções mais animadoras, como a MB Associados, que prevê uma alta de 2%. “É uma previsão realista, e não otimista, que se dá em cima de uma queda de 8% em dois anos”, afirma Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados. Para que a decolagem da economia seja bem sucedida, há premissas que precisam se concretizar.

Algumas etapas já foram superadas, como a saída do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados. “Com o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) na presidência da Casa, a tramitação dos projetos do governo será muito mais veloz”, diz José do Egito Frota Lopes, presidente da Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados (Abad), que projeta um crescimento setorial de 3% em 2017, após dois anos ruins. Ainda na esfera política, há a convicção por parte dos empresários de que o processo de impeachment da presidente Dilma será concluído no fim de agosto, após os Jogos Olímpicos.

EUFORIA DO MERCADO 

Os efeitos da tão aguardada retomada econômica já estão sendo antecipados pelo mercado financeiro. Nas últimas semanas, a Bovespa vivenciou um rali de compras de ações. O Ibovespa, termómetro do otimismo, subiu mais de 30% no ano e está prestes a beliscar os 57 mil pontos, o maior patamar em 14 meses. Nas últimas semanas, o dólar recuou a R$ 3,20, cotação 24% inferior à registrada no período de desânimo total com o governo Dilma, quando a moeda americana chegou a valer R$ 4,19. O real valorizado é interpretado como um sinal de confiança do investidor estrangeiro no País da mesma forma que a alta do dólar decorria da crise política e econômica. Porém, o setor empresarial vê com cautela essa valorização, pois teme a concorrência dos importados. “Não adianta nada retomar o PIB em 2017 se os importados invadirem o mercado interno”, diz Heitor Klein, presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Calçados. “Precisamos de um dólar em torno de R$ 3,50.” Além de se proteger principalmente dos produtos chineses, o setor calçadista brasileiro quer ampliar as exportações, que hoje representam 15% do faturamento. A meta é chegar a 25%.

O setor externo pode fazer toda a diferença no PIB de 2017. Nas contas do economista-chefe do Banco Fibra, Cristiano Oliveira, o PIB crescerá 2,1% no ano que vem, sendo que o tripé consumo-investimento-gasto público será responsável por apenas 0,5 ponto percentual e o setor externo por 1,6 ponto percentual. “Em 2017, teremos até superávit em conta corrente depois de vários anos de déficit”, diz Oliveira. A indústria química também está de olho nesse protagonismo do setor externo, principalmente da balança comercial. Nos últimos 12 meses, o câmbio mais desvalorizado impulsionou as vendas ao exterior em 22% e reduziu a participação dos importados no mercado interno de 35% para 32%. “Precisamos de estabilidade cambial”, diz Fernando Figueiredo, presidente da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), que torce pela recuperação dos seus clientes dos segmentos de automóveis, cosméticos e alimentos. “Se o PIB crescer 2% no ano que vem, a expansão do setor poderá ser de 2,5%.”

Na ponta otimista do mercado – ou realista, como os analistas gostam de frisar – também está a equipe econômica do Banco Santander, que projeta uma expansão de 2% do PIB em 2017 e de 2% a 3% em 2018. Além da retomada da confiança, o economista-chefe do banco, Mauricio Molan, destaca a importância da queda dos juros básicos, que resgataria o apetite de empresários e consumidores. Na quarta-feira 20, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu manter a Selic em 14,25% ao ano, mas é muito provável que um ciclo de afrouxamento monetário seja iniciado até o fim do ano. “O Banco Central tem plena autonomia para definir a taxa de juros”, afirmou Temer, no mesmo dia. A maioria dos analistas se divide entre os que acreditam num corte em outubro e os que apostam em novembro. Para o Santander, os juros deveriam cair em agosto. “A inflação está numa trajetória de queda consolidada e não há uma pressão de demanda”, diz Mauricio Molan, economista-chefe do banco. “A taxa de juros no nível atual está muito acima do equilíbrio.”

A redução dos juros é um ingrediente necessário para a retomada do crédito. Em 2016, a oferta total deverá crescer apenas 1%, segundo o Banco Central. “No ano que vem será possível o crédito crescer perto de 5%”, diz Nicola Tingas, consultor econômico da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi). “O crédito é pró-cíclico e a expansão econômica, inevitável.” Tingas prevê uma expansão de 2% do PIB em 2017 e de 3,5% a 4% em 2018. A favor do crescimento também está a ociosidade nas empresas, que poderão rapidamente religar suas máquinas. Para manter o clima positivo, o governo anunciará um pacote para estimular a economia e servir de contraponto ao ajuste fiscal.

Para os setores ligados ao consumo, o item-chave que determinará o clima dos negócios é o desemprego, que continuará subindo até meados do ano que vem, mas num ritmo cada vez mais lento. Por outro lado, o bolso do consumidor ficará aliviado pela queda da inflação. É de olho nesse efeito benéfico que a Associação Paulista de Supermercados (Apas) projeta um crescimento real de, ao menos, 2% nas vendas em 2017. “Qualquer melhora na renda ou no emprego ajuda o setor de bebidas, alimentos, cosméticos e perfumaria”, diz Rodrigo Mariano, gerente de economia e pesquisa da Apas.

Como em qualquer cenário prospectivo, há diversos riscos à sua concretização. Na política, o principal deles é o avanço da Operação Lava Jato e eventuais impactos na cúpula do governo Temer. Além disso, há a possibilidade de o ex-presidente Lula ser candidato em 2018, ressuscitando ideias econômicas rechaçadas pelo mercado. Na área fiscal, o principal obstáculo é convencer os sindicalistas dos problemas que o adiamento da reforma da previdência gerará às futuras gerações. Lá fora, a lista de incertezas é grande, incluindo Donald Trump (leia reportagem na pág. 28).
Apesar dos riscos, é crescente o número de investidores que apostam no Brasil. Na quinta-feira 21, o Tesouro Nacional captou US$ 1,5 bilhão em papéis de 30 anos , aproveitando o apetite global por ativos de risco. O Instituto Internacional de Finanças, formado pelos 500 maiores bancos do mundo, acredita que o País crescerá 1,5% em 2017 e mais de 3% no ano seguinte.

Até o Fundo Monetário Internacional mudou de ideia. Na terça-feira 19, o órgão revisou de zero para 0,5% a alta do PIB em 2017. É uma projeção tímida, já defasada, mas que deverá crescer mais rápido e forte do que muitos imaginam. Se tudo ocorrer como o previsto, não será difícil imaginar nos próximos anos uma nova capa da revista The Economist com o Cristo Redentor decolando. Para os brasileiros, cada vez mais confiantes, será notícia velha.

3 commenti:

  1. prendo spunto dal grande Totò....."ma mi facci(a) il piacere"!

    RispondiElimina
  2. Finche'si puo' fare debito interno, ancora sono ben sotto al 100% del pib...hanno ancora margine, la festa non ha prezzo!

    RispondiElimina
    Risposte
    1. il prezzo ce l'ha, eccome che ce l'ha. basta aspettare qualche anno a questi ritmi. cmq concordo sul debito vs pib.

      Elimina

Lasciate qui un vostro commento