lunedì 7 novembre 2016

Aedes Aegypti , la Ryanair dei virus .!



Un vecchio virus , già noto agli specialisti , denominato Mayaro ,  ha deciso di utilizzare come vettore di diffusione l'Aedes Aegypti . Come una compagnia aerea low cost questo insetto , la Ryanair dei microorganismi , continua a sorprendere ! 


Os microrganismos também lutam pela sobrevivência de suas respectivas espécies. Procuram se adaptar das maneiras mais incríveis possíveis para não desaparecer. É o que está acontecendo atualmente com um vírus chamado Mayaro. Não é um vírus novo. Foi identificado pela primeira vez em 1954 e existe em regiões silvestres aos redores da  região Amazônica.

Nas últimas semanas, pesquisadores da Flórida o identificaram no Haiti, em um menino de 8 anos, com febre e dores abdominais. Concluiu-se, portanto, que este vírus pode estar se espalhando pelo continente.
 
O grande problema é que este vírus  possivelmente tenha se adaptado. Antes era transmitido apenas por mosquitos vetores silvestres e agora aparentemente pode ser transmitido por mosquitos vetores urbanos que já estão espalhados pelo mundo: Aedes aegyptiprincipalmente, e o Aedes albopictus. Se isso se confirmar, há muitas razões para nos preocuparmos, uma vez que o Aedes está fortemente presente em todo o território nacional. Este vírus provoca  uma doença semelhante à chikungunya. Chama-se Febre do Mayaro. 
 
Quais os sintomas da Febre do Mayaro?


Os sintomas  são muito parecidos com os da dengue e/ou chiKungunya. Começa com uma febre inespecífica e cansaço, sem outros sinais aparentes. Logo após podem surgir manchas vermelhas pelo corpo, acompanhadas de dor de cabeça e dores  nas articulações. Os olhos podem também ficar doendo e em alguns casos reporta-se intolerância à luz. São sintomas muito parecidos e por isso a febre do Mayaro pode ser facilmente confundida com dengue ou com chikungunya. No entanto, no Mayaro as dores e o inchaço das articulações podem ser mais limitantes e durar meses para passar. 
 
Como saber se é dengue, zika, Mayaro ou chikungunya?


Pelo quadro clínico pode ser difícil diferenciar. Só os exames laboratoriais específicos é que podem apontar o diagnóstico correto. No menino de 8 anos do Haiti suspeitou-se inicialmente de dengue ou chikungunya. Mas os testes vieram negativos e o de Mayaro confirmou ser positivo.
 
Há vacina ou tratamento específico para a febre do Mayaro?


Não. Até o momento não há nem vacina nem tratamento específico. O tratamento é dirigido ao alívio dos sintomas. A evolução em geral é bastante favorável.
 
Já foram confirmados casos de febre do Mayaro no Brasil?


Sim. Entre dezembro de 2014 e junho de 2015 foram confirmados 197 casos  de febre do Mayaro nas regiões Norte e Centro-Oeste, com destaque para os estados de Goiás, Pará e Tocantins. Todas estas pessoas moravam ou estiveram em área rural, silvestre ou de mata por atividades de trabalho ou lazer. O Estado de Goiás registrou 66 casos até fevereiro de 2016 e o Datasus não possui mais dados atualizados deste ano. Importante salientar que no Brasil a transmissão desta doença limitou-se a regiões de mata. Não há relatos, até o momento, de transmissão urbana.
 
Qual é a melhor forma de se proteger da febre do Mayaro?


Claro que as medidas que todos conhecemos para evitar a proliferação dos mosquitos são fundamentais e importantíssimas. Mas em um país continental e tropical, com chuvas e calor, essa tarefa é praticamente impossível. Por isso evitar as picadas são uma forma eficiente para garantir proteção. Isso pode ser feito com telas nas janelas, mosquiteiros nas camas,  principalmente nos berços do bebês pequenos e repelentes de mosquitos transmissores. Vale reforçar  que os repelentes indicados pela Organização Mundial de Saúde são a Icaridina, o DEET e o IR 3535.
 
Para lembrar: o Aedes vive só 45 dias, voa no máximo em um raio de 300 metros de onde nasceu e, para transmitir uma doença,  tem que picar primeiro uma pessoa contaminada para depois picar uma susceptível. 


Parece impossível “pegar” uma destas doenças, em se tratando de um mosquito de 0,5cm de comprimento e aparentemente “frágil”. Mas a realidade está aí para provar o contrário.  Podemos mata-lo com a palma de nossas mãos. Mas ele certamente também nos pode matar com uma picada imperceptível. Por isso, protejam-se!

Fonte :Globo 

4 commenti:

  1. la mancanza di una diffusa cultura della pulizia personale, collettiva e produttiva fa si che questi animaletti si diffonderanno in Brasile alla velocità della luce (o quasi). tra poco tutti a chiedere aiuto aiuto.......
    peccato, un Paese così bello!

    RispondiElimina
    Risposte
    1. Caro Undo, permettimi di esprimere qualche riserva in merito alla carenza di pulizia personale perchè io in Brasile invece ho conosciuto una diversa cultura di igiene personale per molti versi molto migliore di quella di molti italiani (per non parlare della maggior parte dei popoli europei molto più zozzoni degli italiani).
      In base alla mia esperienza è difficile trovare persone in Brasile che non facciano almeno 2, se non 3, doccie al giorno, che non pratichino sport e che non dedichino diverse ore settimanali alla cura della persona. Il fumo, ad esempio, è molto meno diffuso qui che in europa e non solo per motivi economici.

      Elimina
    2. @MarcoFalco, io penso di vivere nello stesso Brasile dove vivi tu. Anche io vedo alcuni che fanno la corsetta quotidiana come vedo le palestre (academias) sempre piene. Ma se lo rapporto a ciò che vedo nei boutequim, per strada, nei mercati, ai concerti musicali, in spiaggia, etc.etc. il pendolo della bilancia cade sul versante degli obesi e sozzi. Che poi in Brasile si facciano 2-3 o anche 4 docce al giorno è vero ma non per la pulizia del corpo ma per passare un'acqua sul sudore che al quotidiano aggredisce ogni essere umano che vive qui. Dimenticavo....passare un'acqua senza sapone.

      Elimina
    3. comunque gentile Marco Falco la pulizia personale qui in Brasile e non solo è un fatto "soggettivo".....il mio primo post fa riferimento anche alla pulizia delle citta, case, strade, fabbriche, ospedali, etc.etc. e chiudo ricordando che il livello di inquinamento da fogne a cielo aperto è impressionante. Evito di elencare località famose che vivono con le fogne a cielo aperto...mi limito a ricordare la Baia di Guanabara in RJ, la laguna di RJ, la laguna di Porto Alegre, le esondazione ormai quotidiane delle fogne di Sao Paolo....potrei andare avanti all'infinito. Prova a visitare la periferia di Belo Horizonte dove producono Fiat e Pirelli ed altre Industrie.....DA PAURA. Altro che Zika Virus....c'è la malaria misturata ad altre infezioni polmonari e cutanee che causano morte.

      Elimina

Lasciate qui un vostro commento