Home economia The walking dead : il ritorno della CPMF !?

The walking dead : il ritorno della CPMF !?

16
0
CONDIVIDI


Si incomincia di nuovo a parlare della restaurazione della odiosa tassa chiamata CPMF . Non c’è che dire , un buon inizio di Governo . Per chi non la conoscesse la CPMF è una tassa apparentemente infima dello 0,38% che però si applica a tutti i movimenti bancari .

Per capirci se versate sul conto ,100 000 R$ e poi piano piano li prelevate o per spenderli o anche per investirli in qualche applicazione , il governo stacca una piuma per ogni operazione . Alla fine vi avrà staccato un bel guanciale pari a 380 R$ .
Immaginate se vi arriva un bonifico estero sul conto perchè avete deciso di acquistare un immobile . Nel momento in cui i soldi escono dal conto pagate la CPMF .
La tassa fu eliminata nel 2007 grazie al voto della opposizione . Ecco perchè alcuni definiscono questo ritorno un ” capriccio vendicativo ” di Lula .
O DEM divulgou hoje nota em que repudia a tentativa de recriar a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), qualificado pelo partido como “o famigerado imposto do cheque”. Para o líder do DEM, deputado Paulo Bornhausen (SC), que assina o comunicado, a convocação feita aos governadores para assumirem o movimento pela volta do imposto é um “capricho vingativo do atual presidente da República”, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Bornhausen afirmou que o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) logo depois do fim da CPMF e o constante aumento da arrecadação de impostos alimentaram os cofres públicos com mais recursos do que o “imposto do cheque”.A CPMF acabou em dezembro de 2007, depois que a oposição se uniu a senadores governistas dissidentes e rejeitaram a proposta de sua prorrogação. O DEM conclamou a oposição no Congresso e nos Poderes Executivos e Legislativos estaduais a se unirem para impedir a volta da CPMF.Já o deputado tucano Luiz Carlos Hauly (PR), vice-líder da oposição, afirmou em discurso na Câmara que o presidente Lula “mente” ao afirmar que faltou dinheiro para a saúde. Citando números da Receita Federal e do Tesouro Nacional sobre aumento na arrecadação de impostos, Hauly disse que “nem sempre os interesses do Planalto são os da nação. É o caso dessa famigerada contribuição para a saúde.”
CONDIVIDI

LASCIA UN COMMENTO

Please enter your comment!
Please enter your name here