Home cultura Dilma spiega alla stampa straniera come è stato costruita la caduta del...

Dilma spiega alla stampa straniera come è stato costruita la caduta del suo governo

20
6
CONDIVIDI

Em ofensiva na imprensa estrangeira contra sua possível cassação definitiva, a presidente afastada Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira que seu governo sofreu “toda sorte de sabotagem” como forma de viabilizar sua queda.
Em coletiva com jornalistas de veículos estrangeiros no Palácio do Alvorada no dia seguinte a seu afastamento, a petista disse que as elites do país usaram o impeachment como meio de implementar um programa de governo que não teria apoio das urnas, liberal na economia e conservador em outras áreas, como cultural e social.

Dilma argumentou que seu governo propôs medidas para tirar o país da crise, mas que elas não foram aprovadas no Congresso.

“Nós, há 15 meses aproximadamente, sofremos toda sorte de sabotagem na tentativa de governar”, afirmou.

“Estávamos enfrentando uma crise e precisávamos de tomar medidas que deviam ser aprovadas pelo Congresso. Sistematicamente, todas as saídas propostas no sentido de sair da crise foram ou invalidadas, bloqueadas, ou aceitas só parcialmente.”

Também nesta sexta-feira, o novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, não descartou a possibilidade de criação de novos impostos, ainda que temporários, e disse que não vai retirar a proposta enviada por Dilma ao Congresso de recriação da CPMF.
Governo Temer

A presidente voltou a afirmar que o governo interino de Michel Temer não tem legitimidade.

“Tentam e querem utilizar agora da prerrogativa do impeachment fraudulento, portanto do golpe, para poder executar seu programa de governo que não foi aprovado nas urnas. Porque o programa que eu defendi, a que dei suporte, é de continuidade dos programas sociais, da inclusão social, da retomada do crescimento econômico”, afirmou.

A economia, que durante seu primeiro mandato já apresentava sinais de fraqueza, entrou em recessão na passagem para o segundo, com aumento do desemprego, inflação e juros. Para a oposição e parte da opinião pública, isso é consequência da má gestão econômica da administração de Dilma.

A presidente afastada disse durante a entrevista que seu governo procurou enfrentar a crise sem cortar nenhum programa social – ela argumentou que isso teria desagradado as elites brasileiras, que se uniram então em torno do impeachment.

“Acontece que durante 13 anos nós implementamos no Brasil um programa de inclusão social, que não era um programa liberal, que valorizava por exemplo o pré-sal. Muitas pessoas nas elites estavam descontentes com isso. Ora, há uma outra visão sobre como o país deve se comportar para sair da crise”, disse.

“Essa visão criou uma sólida aliança entre vários segmentos. Aproveitou-se de um conflito que está caracterizado no Brasil há muito tempo entre Executivo e Legislativo e perceberam condições bastante favoráveis na medida em que havia uma versão dada pela grande imprensa brasileira a respeito da situação”.

Negros e mulheres

A presidente afastada criticou a formação 100% masculina e branca do gabinete de Temer, anunciada na quinta-feira, quando o peemedebista tomou posse como presidente interino.
“Eu lamento que depois de muito tempo não haja mulheres e negros no ministério. Negro e mulher (no governo) é fundamental se você quer construir um país inclusivo, não só do ponto de vista social, mas cultural e dos direitos humanos”, criticou.

“Acho que é um governo (…) que vai ser liberal na economia e extremamente conservador na área de cultura, na área social, está mostrando isso na sua formação”.

Nova rotina
Questionada por jornalistas sobre sua vida pessoal após o afastamento, Dilma afirmou que não acredita que terá muito tempo livre agora porque terá que se dedicar a sua defesa jurídica e política. Nesta quinta-feira, o Senado determinou seu afastamento por até 180 dias, período em que será realizado seu julgamento.

O objetivo de Dilma é evitar que dois terços do Senado votem a favor de seu impeachment, algo que resultaria em seu afastamento definitivo do cargo.

A petista disse que quer viajar pelo país para se defender e que avaliará todos os convites.

“Eu vou viajar pelo Brasil sempre que me chamarem para ir. Quem me convidar, vou avaliar. Para qualquer lugar”.

Um dos jornalistas perguntou especificamente sobre um conversa com o chefe da Igreja Católica. “Se o papa me convidar, você pode ter certeza (que vou). Porque eu tenho uma imensa admiração pelo papa”.

Investigações
O ex-ministro da Justiça e ex-advogado-geral da União José Eduardo Cardozo, responsável pela defesa de Dilma, também participou da entrevista e disse acreditar que a operação Lava Jato terá continuidade no governo Temer. Segundo ele, o governo petista criou uma “cultura” de autonomia da Polícia Federal e do Ministério Público Federal que seria difícil de reverter.

“Imagino que pessoas vão tentar matar a Lava Jato, mas duvido que consigam”, afirmou.

Cardozo é atualmente investigado pela Procuradoria-Geral da República por ter supostamente influenciado na nomeação do ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Marcelo Navarro com objetivo de soltar presos da Lava Jato. Ele nega as acusações.

Apesar de ter perdido o foro privilegiado, Cardozo acredita que a investigação continuará sobre a tutela do Supremo Tribunal Federal, e não do juiz Sergio Moro, porque Navarro possui foro.

Disse, porém, que não tem receio de ser investigado na primeira instância da Justiça. “Pode colocar o juiz que quiser para investigar esses fatos que não têm o menor cabimento”.

Dilma, por sua vez, reclamou que haveria tratamento diferenciado no caso de investigações contra membros e aliados do seu governo e contra partidos que faziam oposição a sua administração.

“Sistematicamente, tudo que se acusa a nós é aceito. Tudo que se acusa ou se pede investigação da oposição é recusado. A mim tentaram sistematicamente investigar. Viraram do avesso, eu nunca tive conta no exterior, não recebo propina”.
A declaração pareceu uma referência à decisão do ministro do STF Gilmar Mendes de determinar que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reavaliasse a necessidade de abrir um inquérito contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) para investigar suposto envolvimento em esquema de corrupção em Furnas.

Questionada sobre o que achava da decisão, a petista ironizou: “Acho bastante interessante, extremamente interessante”.

CONDIVIDI

6 Commenti

  1. morto un Papa, se ne fa un altro.
    PS: che demagoga la Dilma quando afferma che non c'è un nero e non c'è una donna nel governo come se fosse importante ci fossero. Al governo ci deve andare chi è capace non chi rappresenta un genere o un colore di pelle. Io potrei dire che non c'è un "gay"………o una "lesbica". Cosa cambia?

  2. Salve a tutti. Vivo in Brasile e visto che sto considerando di ritornare in Italia vorrei sapere se qualcuno mi può aiutare in materia fiscale.
    Dovendo chiudere il conto e fare un bonifico su un conto italiano di un parente (io non ho più il conto in Italia e come non residente non sono riuscito a aprilo) pensate che la persona che riceverá i soldi dovrá pagarci le tasse come se fossero frutto di guadagno? Io sto legalizzando il documento della Receita Federal che attesta che non ho debiti con l´erario. Pensate che questo documento insieme al documento di uscita dal Paese sia sufficiente in Italia per dimostrare di non dover ripagar le tasse (visto che le ho pagate qui).
    Se riportassi la residenza in Italia e dopo facessi il bonifico dal mio conto brasiliano a quello italiano pensate sia più semplice? Grazie mille e Buona domenica

    • dipende poi molto dalla quantità di soldi……a volte è determinante e a volte è meglio fare lo spezzatino. Se la quantità non è molta (tra i 20 3 30.000 USD) dai uno sguardo a "Remessa Facil" del Banco do Brasil perchè è collegata con il "Get money to Family" che ti permette di trasferire senza eccessivi costi, al cambio medio e senza dimostrativi circa 2.500 USD al giorno per 1 anno. Puoi anche consumare il plafon annuale in 10-15 giorni consecutivi e poi cambiare beneficiario in Italia e riprendere i trasferimenti. Se ti fanno storie come remetente nel 2° giro puoi delegare una tua persona di fiducia a farlo. Ma ripeto tutto dipende dal quanto vuoi trasferire…..

    • Sicuramente sarebbe meglio se tu prima riprendessi la residenza in Italia e aprissi un conto in Italia a tuo nome perché se fai un bonifico a favore di un terzo (parente o meno) e l'importo bonificato supera i 15.000 euro, il terzo dovrà giustificare al fisco questo introito e la cosa è complicata per lui.

  3. ti consiglio vivamente di aprire da qui un conto in Italia…….prova Fineco on line. Devi avere un conto in Italia perchè così supportato dalla dichiarazione della Receita Federal che hai pagato le imposte qui e che nulla devi, in accordo con il gestore della tua Banca Brasiliana puoi disporre uno o piu' bonifici dove tu sei il remetente in Brasile e tu sei il beneficiario in Italia a titolo "trasferencia de patrimonio". Copia dei documenti delle Receita Federal li devi inoltrare alla Banca in Italia. Qualsiasi bonifico che superi i 9.000,00USD ad altro beneficiario dovrai pagare le tasse (ora il 22% a breve il 26%). Insisti con Fineco o con altre che aprono il conto on line……..piuttosto sei sempre un cittadino Italiano? hai sempre un CF Italiano? sei iscritto Aire? Hai un documento Italiano in corso di validità? questi 4 si ti permetteranno di aprire un conto "zero" (no costi e no interessi) con una cifra tra i 100 e 200 Euro. Quando poi sarai in Italia potrai disporre altrimenti. Boa sorte.

LASCIA UN COMMENTO

Please enter your comment!
Please enter your name here