Home News Secondo Standard&Poor un declassamento a breve della nota Brasile è possibile .

Secondo Standard&Poor un declassamento a breve della nota Brasile è possibile .

3

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P) colocou nesta segunda-feira (22) a nota de risco soberano do Brasil em observação negativa (CreditWatch negativo), mantendo a nota de crédito do Brasil em moeda estrangeira e local em “BB” – dois patamares abaixo do grau de investimento (selo de bom pagador)

No caso do Brasil, o chamado “creditwatch”, com viés negativo, é um alerta de curto prazo para um possível rebaixamento rating e, no caso do Brasil, reflete aumento da incerteza relacionada aos eventos políticos recentes. Isso significa que a nota brasileira pode ser reduzida nos próximos três meses.

 Justificativas

A agência de classificação de risco cita as denúncias de corrupção envolvendo o presidente da República, Michel Temer, avalia que o cenário político se tornou mais complicado, e que, em meio às incertezas políticas, está em risco o progresso em endereçar os desafios econômicos relativos ao ajuste das contas públicas.

“As incertezas a curto prazo em torno da viabilidade política do presidente Temer e o potencial para um processo de transição prolongado ou disruptivo aumentaram o risco negativo para a classificação [do Brasil]”, informou a agência em comunicado.

De acordo com a Standard & Poors, a governabilidade já foi comprometida, uma vez que o presidente Temer perdeu apoio de alguns partidos. Acrescenta ainda que a votação da reforma da Previdência Social é suscetível de ser adiada.

“Um presidente [Temer] enfraquecido, um longo ou disruptivo processo de transição, ou um presidente com capacidade diminuída e com vontade de avançar reformas, provavelmente atrasaria a recuperação econômica. Políticas fiscais e econômicas pró-ativas poderia conduzir a um ‘downgrade’ [rebaixamento da nota brasileira]”, diz a agência, em comunicado.

Fazenda reafirma compromisso com recuperação

O Ministério da Fazenda, por sua vez, reafirmou o compromisso com a “recuperação da economia brasileira por meio de reformas estruturais que objetivam o equilíbrio das contas públicas, a sustentabilidade da dívida pública e a construção de novas bases para o crescimento sustentado”.

Em comunicado, a Fazenda também destacou que a S&P informou na decisão que a nota do Brasil poderá ser mantida em um “cenário onde a incerteza política seja de curta duração e sob uma administração e equipe econômica que tenham apoio suficiente no Congresso para continuar avançando com medidas corretivas direcionadas a frear a deterioração fiscal e fortalecer as perspectivas de crescimento”.

Perda do grau de investimento

Atualmente, a nota do Brasil está na mesma posição nas escalas das 3 principais agências de classificação de risco: dois degraus abaixo do grau de investimento (selo de país bom pagador).

Na sexta-feira (19), a Fitch anunciou que decidiu manter a perspectiva negativa para o rating do país, citando o crescimento fraco e ‘repetidos episódios de instabilidade política’.

Na Moody´s, perspectiva foi elevada de negativa para estável em março. Em comunicado na última, entretanto, a agência afirmou que “as alegações envolvendo o presidente Michel Temer prejudicam a perspectiva de crédito do Brasil ameaçando paralisar ou reverter o positivo momento político e econômico observado recentemente”.

O Brasil conquistou o grau de investimento pelas agências internacionais Fitch Ratings e Standard & Poor’s pela primeira vez em 2008. Em 2009, conseguiu a classificação pela Moody’s.

A S&P foi primeira a tirar o selo de bom pagador do Brasil, em setembro de 2015, ação que foi seguida pelas outras duas grandes agências internacionais: Fitch e Moody´s.

Segundo analistas de mercado, historicamente, países costumam levar cerca de 5 a 10 anos para recuperar o selo de país bom pagador.

3 Commenti

  1. Caro Antonio ti pongo una domanda: come fara’ a vendere i suoi bei titoli di Stato il Brasile della selic all’8%? Sempre che siano affidabili certe previsioni, il costo del denaro potrebbe arrivare entro il prossimo anno a questi livelli di guardia per tutti gli investitori dotati di raziocinio. A me interessa piu’ che crolli il Real per fare dei movimenti all’ inverso ma la domanda sulla selic me la pongo spesso. Un Paese che le 3 agenzie di rating hanno degradato puo’ permettersi questi lussi da prima della classe? Chiunque sia in grado di darmi delle spiegazioni logiche e’ ben accetto!

    • In questo nuovo scenario, ho dato uno sguardo al grafico dei tassi futuri( fonte ANBIMA), e nel brave, non dovrebbe scendere nemmeno sotto il 9%, per poi risalire intorno all’11%;

      Carmine.

  2. La riduzione della vendita dei titoli del tesouro direto, che nell’ultimo anno e mezzo ha fatto il boom, forse andra’ a compensare l’assurdo che il Governo paga di interessi annualmente e che attualmente non ha piu’ voglia di sborsare. Comunque la selic piu’ bassa riporta gli investimenti verso i cdb bancari e non dimentichiamo che l’attuale numero 1 del Banco Central e’ ex front man Itau’ . Saluti

Rispondi a giorgio di chiaro Cancella la risposta

Please enter your comment!
Please enter your name here
This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.